FORÇA DA NATUREZA            

Especialistas identificam ‘superplanta’ que absorve a poluição do ar

Variedade espessa de 'cotoneaster' funciona melhor em áreas de tráfego intenso, dizem os pesquisadores, enquanto outras plantas podem resfriar edifícios ou reduzir inundações            
Foto: Reprodução | Google Imagens

O ‘cotoneaster’ espesso e de folhas peludas é uma “superplanta” que pode ajudar a absorver a poluição em estradas movimentadas, disseram especialistas em horticultura.

Cientistas da Royal Horticultural Society (RHS) observaram a eficácia das sebes para absorver a poluição do ar, comparando diferentes tipos de arbustos, incluindo ‘cotoneaster’, espinheiro e cedro vermelho ocidental.

O estudo faz parte do trabalho da instituição de caridade para amenizar problemas ambientais como poluição do ar, inundações e ondas de calor, potencializando os benefícios de jardins e espaços verdes.

Em estradas com tráfego intenso, o ‘Cotoneaster franchetii’ mais denso e com folhas peludas foi pelo menos 20% mais eficaz em absorver a poluição em comparação com outros arbustos, disseram os pesquisadores, embora não tenha feito diferença em ruas mais silenciosas.

A pesquisadora principal, Dra.Tijana Blanusa, disse: “Nas principais estradas da cidade com tráfego intenso, descobrimos que as espécies com dosséis mais complexos e densos e folhas ásperas e peludas, como ‘cotoneaster’, eram as mais eficazes.

“Sabemos que em apenas sete dias um comprimento de 1 metro de cerca viva densa e bem administrada irá limpar a mesma quantidade de poluição que um carro emite em uma viagem de 500 milhas.”

Ela disse que o ‘cotoneaster’ seria ideal para plantar ao longo de estradas movimentadas em pontos quentes de poluição, enquanto em outras áreas onde encorajar a natureza era essencial, uma mistura de espécies seria recomendada.

Enquanto uma pesquisa com 2.056 pessoas para o RHS descobriu que um terço (33%) foram afetados pela poluição do ar, apenas 6% estão realizando ações ativas em seus jardins para aliviá-la.

Dos entrevistados pelo YouGov, 86% disseram que se preocupam com as questões ambientais, enquanto 78% se preocupam com as mudanças climáticas, e o RHS espera aproveitar esse interesse para incentivar as pessoas a pensar em ajudar o meio ambiente em seus jardins.

O professor Alistair Griffiths, diretor de ciência e coleções da RHS, disse: “Estamos continuamente identificando novas‘ superplantas ’com qualidades únicas que, quando combinadas com outra vegetação, proporcionam benefícios aprimorados, ao mesmo tempo em que fornecem habitats tão necessários para a vida selvagem

“Descobrimos, por exemplo, que a cobertura de parede de hera é excelente para resfriar edifícios, e espinheiro e alfeneiro ajudam a aliviar chuvas intensas de verão e reduzir inundações localizadas.Se plantados em jardins e espaços verdes onde essas questões ambientais são mais prevalentes, poderíamos fazer uma grande diferença na luta contra as mudanças climáticas.”

Os cientistas da RHS estão agora se mudando para o centro de Hilltop, nos jardins da caridade em Wisley em Surrey, que tem instalações que lhes permitirão aumentar a pesquisa nessas áreas, bem como espaços de exposição e jardins de “laboratórios vivos”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo