"HERÓIS DO CLIMA"            

Conheça os países pioneiros em um futuro verde

As nações em todo o mundo estão definindo metas de carbono neutro e avançando com megaprogramas            
Foto: Pixabay

Enquanto o mundo precisa esperar para ver se o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, pode cumprir sua promessa eleitoral de um Green New Deal de US$ 2 trilhões, as nações em todo o mundo estão definindo metas de carbono neutro e avançando com megaprogramas para reduzir as emissões desses poluentes, criar empregos e reduzir os preços da energia.

Aqui estão alguns dos países mais empenhados:

Europa: Espanha

Sob a coalizão de seu primeiro-ministro socialista, Pedro Sánchez, a Espanha acelerou o ritmo em sua corrida para o fim dos combustíveis fósseis este ano e agora é um dos países que lideram o bloco europeu.

Na semana passada, o governo foi o último a anunciar planos para se tornar neutro em carbono até 2050 e está passando por uma das mudanças mais rápidas do carvão que o mundo já viu.

Nos próximos três anos, a Espanha comprometeu € 27 bilhões para gastos com energia verde – um pagamento inicial sobre o investimento de € 750 bilhões que prevê ser necessário para financiar o abandono dos combustíveis fósseis.

A estratégia de descarbonização prevê a redução de 90% das emissões de gases poluentes, o reflorestamento de 20.000 hectares e a recuperação de 50.000 hectares de áreas úmidas. Já a energia renovável aumentará de 20% da matriz energética para 97%.

A ação já está em andamento. Em maio, o gabinete aprovou um projeto de lei sobre mudança climática, que delineou metas mais ambiciosas do que a União Europeia na época sobre energias renováveis ​​e eficiência energética. O planejamento proibiria novos projetos de extração de carvão, petróleo e gás e acabaria com os subsídios diretos aos combustíveis fósseis.

A Espanha também está fechando 69% de suas usinas termoelétricas a carvão neste ano e no próximo – um ritmo de desativação não visto em nenhum outro lugar do mundo. No ano passado, a Espanha instalou mais energia eólica onshore do que qualquer outro país da Europa.

Longe de ser um dreno de emprego e economia, o governo espanhol afirma que seu plano de descarbonização aumentará a força de trabalho em 1,6%. Mas o país terá de convencer os investidores de que seu arcabouço jurídico está mais estável desta vez do que durante a bolha do “jardim solar” que se seguiu às promessas de subsídios em 2007. Quando essas foram abolidas, a confiança no setor caiu junto com os empregos.

A ministra da transição ecológica, Teresa Ribera, prevê que o país irá além das metas estabelecidas pela Comissão Europeia para 2030 e prometeu impulsionar políticas ainda mais ambiciosas na Espanha e em outros lugares da Europa.

Isso faz parte de uma tendência mais ampla. Na Europa, as energias renováveis ​​geraram mais energia do que o carvão pela primeira vez este ano. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que deseja que a Europa seja o primeiro continente neutro em carbono do mundo.

Nos próximos 10 anos, a comissão prevê um investimento de pelo menos 1 trilhão de euros para atingir este objetivo, incluindo um quarto do orçamento da UE. Este mês, o Parlamento Europeu votou a favor da neutralidade climática até 2050 e cortes de 60% nas emissões até 2030 (em comparação com os níveis de 1990).

Outros progressos foram observados em alguns países, incluindo Dinamarca, Alemanha, França e (fora da UE) Grã-Bretanha.

Ásia: Coréia do Sul

Quatro anos depois de ser rotulada como a maior vilã do carbono do mundo, a Coreia do Sul se candidatou a ser um dos heróis deste ano com um Green New Deal de US $ 61 bilhões e um compromisso de se tornar neutro em carbono até 2050.

O presidente Moon Jae-in agiu para acabar com a dependência da Coreia do Sul do carvão e criar empregos verdes, como seu partido prometeu na campanha eleitoral bem-sucedida de abril para a assembleia nacional.

Em 2025, o Green New Deal traria cerca de 230.000 edifícios com economia de energia, 1,13 milhão de carros elétricos e movidos a hidrogênio e um aumento na capacidade de energia renovável de 12,7 GW para 42,7 GW no ano passado.

O dinheiro também será disponibilizado para melhorar as moradias e escolas públicas para torná-las com energia zero e para expandir as áreas verdes nas cidades. Para melhorar a eficiência energética, medidores inteligentes serão instalados em mais 5 milhões de apartamentos e as comunidades receberão incentivos para se conectar a micro redes fornecidas com energia descentralizada e de baixo carbono.

O plano visa apoiar os conglomerados industriais coreanos que foram duramente atingidos pela pandemia. Hyundai, Kia, Samsung e EM Korea estarão entre os maiores beneficiários dos planos de construir 45.000 novos pontos de carregamento de veículos elétricos e 450 unidades de reabastecimento de hidrogênio.

Moderar o otimismo é o histórico passado da Coreia do Sul de altas emissões e falsas esperanças. A última vez que o país prometeu “crescimento verde” – depois da crise financeira de 2008 e 2009 – a promessa levou a uma política ambientalmente desastrosa de margens de rios mais concretas e maiores emissões. Hoje, o carvão fornece cerca de 40% da eletricidade da Coréia e sete novas usinas a carvão estão em construção. Em 2016, ativistas rotularam a Coreia do Sul como o maior vilão do carbono do mundo.

Uma nova geração de ativistas acredita que a Coreia do Sul virou uma nova página. Eles querem ver uma suspensão precoce do financiamento de carvão no exterior e uma forte meta para 2030 de redução das emissões domésticas.

Eles são encorajados pelos sinais de uma corrida climática ao topo no leste da Ásia, onde o oposto sempre foi verdadeiro. China e Japão também são grandes usuários e financiadores de carvão, mas ambos os países se comprometeram este ano com metas de carbono neutro.

América do Sul: Uruguai

No ano passado, o Uruguai ocupou o quarto lugar no mundo na proporção de eletricidade que fornece eólica e solar. A Agência Internacional de Energia disse que a participação de 36% do país ficou atrás apenas da Dinamarca (50%), Lituânia (41%) e Luxemburgo (37%). Se somarmos a energia hidrelétrica, o Uruguai salta à frente de todos com 97%. Isso representa uma transição espetacular.

Há 20 anos, esse país sul-americano queimava petróleo para produzir quase um terço de sua eletricidade e precisava importar energia da Argentina. A mudança ocorreu entre 2008 e 2015, sob os ex-presidentes Tabaré Vázquez e José Mujica, que queriam reduzir custos e tornar a energia mais acessível.

O segredo era um estado proativo, em vez de um estado de grandes gastos. O governo encorajou os investidores prometendo tarifas fixas e políticas estáveis. Mais de US $ 7 bilhões foram investidos no setor, ajudando o Uruguai a reduzir suas emissões em 20%. As secas também têm sido mais raras porque a rede é menos dependente da energia hidrelétrica.

Asad Rehman, coorganizador da Campanha Global Green New Deal, disse que o sucesso da transição do Uruguai reflete um equilíbrio ideal de prioridades sociais e climáticas. “Não se trata apenas de carbono, mas também de reduzir os preços da energia e combater a pobreza energética. A justiça social é um imperativo.”

A imagem se confunde em outras partes da América do Sul e Central. A Costa Rica ganhou elogios internacionais por gerar quase toda a sua eletricidade com energias renováveis, principalmente geotérmica e hidrelétrica. Este último também fornece a maior parte da energia para o Brasil e Paraguai, embora frequentemente tenha um impacto devastador sobre os ecossistemas e a vida selvagem.

África: Quênia

As energias renováveis ​​já fornecem mais de 93% da eletricidade do Quênia e o governo planeja expandi-las ainda mais para que todos no país tenham acesso à rede ou à energia solar da comunidade até 2022.

A pegada de carbono da população de 47 milhões é minúscula em comparação com as nações ricas do hemisfério norte, então as considerações econômicas – e não climáticas – são os principais motores para uma transição energética. A energia solar, eólica, hidrelétrica e geotérmica é cada vez mais barata e prática do que os combustíveis fósseis. O principal desafio é garantir o investimento inicial.

O país tem recursos renováveis ​​substanciais para explorar, o que levou muitos observadores a dizer que ele tem o potencial de contornar o desenvolvimento econômico movido a combustíveis fósseis. No mês passado, o Banco Africano de Desenvolvimento anunciou a conclusão da usina geotérmica 105 MWe Menengai no Vale do Rift, consolidando o papel de liderança do Quênia no continente para a produção de eletricidade geotérmica, que aumentou mais de quatro vezes nos últimos seis anos.

O Quênia também abriga a maior usina de geração de energia solar da África Oriental – a Usina Garissa de $ 128,5 milhões financiada pela China, onde mais de 200.000 painéis fotovoltaicos absorvem a energia de uma média de 14 horas de sol por dia. Em muitas áreas remotas, pequenos vilarejos distantes da rede podem gerar eletricidade com apenas algumas dezenas
de painéis no telhado.

Esses desenvolvimentos – junto com a expansão da energia eólica e hidrelétrica – empurraram a proporção da população com eletricidade de 63% em 2017 para 75% hoje.

Heymi Bahar, o principal autor do relatório de mercado de energias renováveis ​​da Agência Internacional de Energia, disse que o Quênia, juntamente com outras nações africanas, como Ruanda e Nigéria, “têm uma chance de superar” os sistemas de energia de combustível fóssil se conseguirem atrair mais investimento privado. Isso antes significava subsídios caros, mas Bahar disse que não é mais o caso. Boas regulamentações e políticas são suficientes. “As energias renováveis ​​estão se tornando mais baratas e acessíveis. Na África, o potencial está lá, a vontade está lá ”, disse ele. “As energias renováveis ​​não precisam mais de subsídios. Eles só precisam de fluxos de receita de longo prazo. Isso é determinado por políticas claras.”

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo