CRISE CLIMÁTICA            

Poluição do ar é associada ao risco de perda irreversível da visão

Estudo do Reino Unido descobriu um pequeno aumento da poluição associado a mais casos de degeneração macular relacionada à idade            
Imagem de fábrica emitindo ar poluído
Foto: Pixabay

Pequenos aumentos na poluição do ar estão ligados a um maior risco de perda irreversível da visão por degeneração macular relacionada à idade (DMRI), descobriu um estudo realizado no Reino Unido.

Trabalhos anteriores já haviam encontrado uma ligação entre o ar sujo e o glaucoma, e há suspeita de uma ligação com catarata. Os cientistas disseram que os olhos têm um fluxo de sangue particularmente alto, tornando-os potencialmente muito vulneráveis ​​aos danos causados ​​por partículas minúsculas que são respiradas e fluem pelo corpo.

O estudo é o primeiro a avaliar a conexão entre a poluição do ar e os dois diagnósticos de DMRI que os pacientes disseram ter recebido, e as medições de alterações prejudiciais na retina. Descobriu-se que um pequeno aumento na exposição a minúsculas partículas de poluição aumenta também o risco de DMRI em 8%, enquanto pequenas alterações em partículas maiores de poluição e dióxido de nitrogênio foram associadas a um risco 12% maior de alterações adversas na retina.

A DMRI é a principal causa de cegueira irreversível entre os maiores de 50 anos em países de alta renda, e há 200 milhões de pessoas em todo o mundo com a doença. No Reino Unido, cerca de 5% das pessoas com mais de 65 anos têm a doença. Os maiores fatores de risco para DMRI são a genética e problemas de saúde física precários, como tabagismo e obesidade. Mas conforme os estilos de vida se tornam mais saudáveis, o impacto da poluição do ar se torna mais importante, disseram os pesquisadores, e, ao contrário da genética, os níveis de ar sujo podem ser reduzidos com as políticas certas.

A poluição do ar está sendo associada a uma gama cada vez mais ampla de doenças, e a Organização Mundial da Saúde afirma que 90% da população mundial vive com ar sujo. Uma revisão global em 2019 concluiu que a poluição do ar pode estar danificando todos os órgãos do corpo humano, pois as partículas inaladas viajam pelo corpo e causam inflamação.

“Há um fluxo extremamente alto de sangue [para a retina] e pensamos que, como consequência disso, a distribuição de poluentes é maior para os olhos do que para outros lugares”, disse o professor Paul Foster, da University College London, Reino Unido, e quem fez parte da equipe de estudo. “Proporcionalmente, a poluição do ar se tornará um fator de risco maior à medida que outros fatores de risco forem controlados.”

“É importante manter as coisas dentro do contexto – as pessoas não deveriam estar olhando para fora de sua porta e pensando: ‘Não posso sair porque está poluído lá fora’”, disse ele. “O estudo dá às pessoas informações que podem usar para alterar suas escolhas de estilo de vida. Por exemplo, pode ser outro motivo pelo qual devemos considerar ir para um carro elétrico, em vez de comprar um diesel.”

A pesquisa foi publicada no jornal “British Journal of Ophthalmology” (Jornal Britânico de Oftalmologia) e usou dados de 116.000 pessoas no banco de dados do Biobank do Reino Unido com idades entre 40-69 sem problemas oculares no início do estudo. A saúde da retina foi examinada em exames de mais de 50.000 pessoas.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas expostas a 1 micrograma adicional por metro cúbico de partículas minúsculas tinham um risco 8% maior de DMRI. O nível médio de partículas minúsculas no Reino Unido é de 10µg/m 3 , o que é relativamente baixo em comparação com muitos outros países. Os pesquisadores levaram em consideração outros fatores que podem influenciar o desenvolvimento da DMRI, incluindo idade, tabagismo, peso e privação.

“Este estudo baseado no Reino Unido é semelhante a um estudo de 2019 de Taiwan sobre poluição relacionada ao tráfego”, disse o professor Chris Inglehearn, da Universidade de Leeds, que não faz parte da equipe de estudo. “O fato de esses dois estudos independentes chegarem a conclusões semelhantes dá maior confiança de que a ligação que eles fazem é real.”

O professor Robert MacLaren, da Universidade de Oxford, disse: “Essa descoberta é significativa. Além disso, o estudo tinha uma idade média de cerca de 60 anos e esse pequeno risco aumentado de 8% provavelmente aumentará ainda mais nas décadas seguintes”.

Os dados de poluição do ar usados ​​foram os níveis de poluição externa, mas Foster disse que os níveis dentro das casas provavelmente são importantes. “Suspeitamos que há muito mais coisas relevantes acontecendo dentro de casa”, disse ele. “Qualquer coisa que produza fumaça provavelmente está gerando alguns riscos.”

Foster disse que novas pesquisas sobre como a poluição do ar interno afeta a saúde dos olhos foram planejadas, mas foram adiadas pela pandemia do coronavírus. Um estudo recente descobriu que os queimadores de madeira triplicam o nível de partículas nocivas de poluição dentro das casas. “A aprovação tradicional com qualquer coisa relacionada aos olhos e à visão é encorajar todos a fazerem um exame oftalmológico de rotina uma vez por ano, especialmente aqueles com mais de 40 anos”, disse Foster. “É uma ótima maneira de detectar doenças oculares”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo