Pecuária impulsiona declínio no número de mamíferos nativos

           
Pixabay

Uma queda acentuada no número de mamíferos nativos no Território do Norte (TN) na Austrália nos últimos 30 anos deve-se significativamente a criação de bois, cavalos, búfalos e burros destruindo o habitat destes mamíferos, revelou uma pesquisa apoiada pelo governo.

Dois estudos publicados em periódicos científicos revisados por pares tentam explicar o declínio severo nas populações de espécies de mamíferos de pequeno e médio porte, como paramelidaes, gambás e planadores desde a década de 1990.

Embora o vasto terreno do TN torne difícil a obtenção de uma medida real do número de animais, estudos anteriores estimaram que houve uma queda de 75% no número de mamíferos no parque nacional de Kakadu entre 1996 e 2009 e uma redução de mais de 70% na faixa do cusu-de-orelhas-grandes no norte da Austrália desde 1993.

O novo projeto de pesquisa de quatro anos de duração envolveu cientistas do governo e da universidade, que montaram mais de 1.500 armadilhas fotográficas e quase 7.500 armadilhas de transmissão ao vivo em 300 locais distribuídos em parques nacionais, reservas privadas de conservação e terras administradas por indígenas.

Alyson Stobo-Wilson, ecologista da Universidade Charles Darwin, que liderou o projeto, disse que o impacto da pecuária selvagem foi muito maior do que se pensava anteriormente. Os dados das armadilhas de imagem, distribuídas através do TN utilizando helicópteros, sugeriram que várias espécies de mamíferos comuns agora são encontradas apenas em ilhas distantes da praia, seu habitat continental desapareceu, em grande parte.

“Descobrimos que o papel desempenhado por grandes herbívoros selvagens sobre o declínio no número de mamíferos foi muito subestimado, incluindo o gado selvagem, cavalos e búfalos “, disse Stobo-Wilson. “Eles estão acessando, desimpedidos, vários de habitats.”

A pesquisa descobriu animais selvagens e de criação haviam pisoteado e pastado no habitat e nas fontes alimentares de mamíferos nativos que pesavam menos de cinco quilos. Stobo-Wilson disse que o excesso de pastagem combinado com os danos de incêndios frequentes deixou os mamíferos nativos mais expostos a gatos selvagens e dingos.

Os estudos também desafiam a hipótese de que introduzir mais dingos em uma região poderia ser uma solução para reduzir o impacto dos gatos selvagens, porque descobriram que eles muitas vezes vivem juntos em áreas majoritariamente abertas.

Em vez disso, seria melhor proteger o habitat, porque áreas com vegetação complexa – como as Ilhas Tiwi, Groote Eylandt no Golfo de Carpentaria e a Península de Cobourg a nordeste de Darwin – eram menos propensas a serem invadidas por gatos e mais propensas a serem ricas em espécies nativas.

Graeme Gillespie, diretor de ecossistemas terrestres do Departamento de Meio Ambiente e Recursos Naturais do TN, disse: “Esta pesquisa se soma a um corpo crescente de trabalho no norte da Austrália que indica que, na maioria dessas regiões, gerenciar melhor os herbívoros e o fogo, em vez de matar gatos, é provavelmente uma maneira mais eficaz de proteger pequenos mamíferos.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo