OMS é pressionada por conservacionistas para fechar definitivamente mercados de animais silvestres

           
Foto: Pixabay

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem sofrido uma grande pressão de grupos de conservação em todo o mundo para forçar o fechamento definitivo de mercados de animais, com o intuito de evitar futuras pandemias como a que vem ocorrendo com o surto da Covid-19.

A carta, coordenada pela instituição de caridade de vida selvagem Born Free e seus parceiros da Lion Coalition, é apoiada por organizações como o Bat Conservation Trust, o Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal e a Sociedade Zoológica de Londres e possui, ao todo, mais de 200 grupos de conservação que pedem que a OMS recomende aos governos do mundo todo a proibição de forma permanente dos mercados de vida selvagem, apoiando e incentivando iniciativas que forneçam fontes alternativas de proteína para as pessoas e conscientizando a população sobre os riscos que o consumo de animais silvestres apresenta para a saúde humana e o desequilíbrio ambiental que o hábito causa na fauna mundial.

Diversos especialistas já alertaram sobre as evidências de que o coronavírus surgiu dos mercados de animais na China e mediante a isso solicitaram o fechamento desses locais, a fim de evitar futuras pandemias. Devido à pressão, em fevereiro o governo chinês proibiu temporariamente o comércio de animais silvestres, no entanto ainda existem evidências de que a prática continua sendo realizada por alguns comerciantes.

Segundo Mark Jones, chefe de política da Born Free, o comércio de animais selvagens não só prejudica o bem estar-estar de milhões de animais, como também contribui para o declínio global da vida selvagem. “Precisamos nos aprofundar e redefinir nosso relacionamento fundamental com o mundo natural, repensar nosso lugar nele e tratar nosso planeta e todos os seus habitantes com muito mais respeito, pelo bem e pelo nosso. Quando Covid-19 estiver esperançosamente atrás de nós, voltar aos negócios como sempre não pode ser uma opção”, disse.

Organizações influentes, incluindo a RSPCA, Humane Society International, Peta, a Wildlife Conservation Society dos EUA, World Animal Protection e Four Paws International, têm se manifestado contra o comércio de animais silvestres desde o início da pandemia de Covid-19 e muito antes da crise começar, já pediam o fechamento dos mercados de animais silvestres na China.

“A Organização Mundial da Saúde tem um mandato para promover a saúde humana, manter o mundo seguro e proteger os vulneráveis. Estamos pedindo à OMS que aconselhe os governos a fechar permanentemente os mercados de vida selvagem e a restringir o comércio comercial de animais silvestres por alimentos, medicamentos tradicionais e a miríade de outros usos para os quais a vida selvagem é explorada. Uma resposta global para coibir o comércio de animais selvagens é claramente necessária para evitar novas crises na saúde humana e para reverter o declínio sem precedentes no mundo natural”, concluí Mark Jones.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo