Investigação revela aves deformadas e aleijadas como resultado do crescimento artificial

           
Foto: Humane League UK
Foto: Humane League UK

A dor e s sofrimento infligidos a frangos criados em fazendas industriais, foram revelados após a divulgação de filmagens feitas em uma investigação secreta.

Vídeos feitos pouco antes da morte das aves mostram que as galinhas estão lutando para andar enquanto suas pernas se dobram e elas desmoronam sob seu peso enquanto batem as asas desesperadamente.

Criados para crescer mais rápido que o normal, eles muitas vezes se tornam coxos, sofrem problemas cardíacos e doenças de pele.

Outros vídeos mostram os animais apertados em gaiolas superlotadas com quase nenhum espaço para se mover, algumas delas pressionadas contra paredes e outros aparentemente em pé uns sobre os outros, enquanto ativistas disfarçados disseram ter encontrado também caixas cheias de cadáveres ou outros animais mortos deixados ali por horas, às vezes durante a noite toda.

As galinhas foram filmadas em fazendas operadas por dois dos maiores fornecedores do Reino Unido, a Hook 2 Sisters em Devon e a Moy Park em Lincoln, cujos clientes incluem cadeias gigantes de supermercados como Tesco, Aldi e Sainsbury.

Foto: Humane League UK
Foto: Humane League UK

Cenas “foram consistentes com a dor significativa que esses animais convivem”, disse Andrew Knight, professor de bem-estar animal e ética, e diretor fundador do centro de bem-estar animal da Universidade de Winchester.

Ele acrescentou que as imagens da Moy Park mostraram “frangos criados por sua carne com problemas sérios de mobilidade”.

“Uma filmagem de animais em colapso, sobrecarregados pelo seu próprio peso é descoberta praticamente toda semana”, disse o CEO da Open Cages, Connor Jackson, que divulgou os vídeos secretos.

Foto: Humane League UK
Foto: Humane League UK

Os animais pertencem a raças muito específicas chamadas Ross 308 e Ross 708, as raças de frango de crescimento rápido mais comuns, que segundo a Open Cages representam cerca de 70% de toda a produção de carne de frango na União Europeia.

As galinhas de crescimento rápido foram selecionadas artificialmente ao longo dos anos para que os frangos criados por sua carne crescessem de maneira não-natural, permitindo que os agricultores maximizassem os lucros.

As aves podem levar cerca de 35 dias para atingir o peso alvo para que sejam mortas 2-2,5 kg, enquanto no crescimento normal pode levar até 70 a 90 dias, segundo um relatório da Comissão Europeia de 2016.

Foto: Humane League UK
Foto: Humane League UK

O relatório disse que as taxas de crescimento de frango quadruplicaram em apenas 60 anos, com as aves demorando apenas 30 dias para alcançar o peso de 1,5 kg hoje – em comparação com os 120 dias da década de 1950.
“Se as pessoas crescessem tão rápido, uma criança de cinco anos pesaria 150 kg”, disse Jackson.

A taxa de crescimento extraordinariamente rápida das galinhas pode fazer com que seus corpos prematuros tenham dificuldades para lidar com o peso.

O relatório afirma que anormalidades nas pernas, doenças de pele e má estrutura óssea são comuns entre as galinhas de crescimento rápido, enquanto a causa mais comum de morte é a síndrome da morte súbita (SDS), que ocorre quando o frango não consegue absorver tanto oxigênio como seu corpo superdimensionado requer.

Foto: Humane League UK
Foto: Humane League UK

“Infelizmente, esta filmagem é um reflexo da criação industrial de frangos, onde a demanda por crescimento rápido – alcançando o maior rendimento de carne no menor tempo – continua a ser o foco principal”, disse a RSCPA em um comunicado. Knight, o veterinário, disse que as galinhas nas fazendas também estavam “muito apertadas em gaiolas lotadas” e incapazes de exercer comportamentos naturais.

“Nossas câmeras expuseram o sofrimento grosseiro presente nas fazendas de criação de aves social – condições severas e precárias, abuso e deformidades”, disse Palmer. “Muitas galinhas ‘de crescimento normal’ nem vêem o exterior. Não há maneira humana de cultivar frangos nessa escala atual. ”

Ela diz que a única maneira de impedir isso é que os consumidores escolham produtos veganos e que os governos parem de subsidiar a indústria e apoiem os agricultores em seu movimento em direção a um sistema alimentar baseado em vegetais.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo