Espécies de aves e animais selvagens lutam para sobreviver às mudanças climáticas

           
Foto: Bernardo Castelein
Foto: Bernardo Castelein

Algumas espécies de animais não são capazes de se adaptar com a rapidez suficiente para sobreviver em seus habitats naturais alterados pela mudança climática, dizem os cientistas.

Populações de corças (Capreolus capreolus), corvos (Corvidae), pardais canoros (Melospiza melodia) e do airo ou aral-comum (Uria aalge) estavam entre os que o estudo revelou estardem em risco.

Embora algumas espécies possam se adaptar em resposta às altas temperaturas globais, isso pode estar acontecendo tão rapidamente que existe o risco de resultar no declínio de algumas espécies.

Enquanto alguns animais podem responder se reproduzindo mais cedo no ano, quando é mais frio, o efeito de ajustamento à mudança climática não é totalmente conhecido e pode significar destruição para algumas espécies.

Algumas mudanças adotadas pelas criaturas estão até mesmo tornando-as menos adaptadas aos novos ambientes, dizem os cientistas.

A meta-análise sugere que este é um momento histórico dos eventos do ciclo de vida das espécies, ou fenologia, como a migração e a reprodução é incompatível com o clima atual.

Os cientistas dizem que os animais podem reagir alterando sua fenologia, mas somente se houver variação genética suficiente em seu comportamento ou desenvolvimento.

Foto: Shutterstock/Vlasto Opatovsky
Foto: Shutterstock/Vlasto Opatovsky

A equipe revisou 10.090 resumos científicos e extraiu dados de 71 estudos publicados que representaram 17 espécies em 13 países, para avaliar as respostas dos animais às mudanças climáticas, com foco especial nas aves.

O principal autor do estudo, Viktoriia Radchuk, do Instituto Leibniz de Pesquisa sobre Zoologia e Vida Selvagem (IZW) na Alemanha, disse: “Nossa pesquisa se concentrou em aves porque os dados completos sobre outros grupos eram escassos”.

“Nós demonstramos que em regiões temperadas, as temperaturas crescentes estão associadas com a mudança do tempo dos eventos biológicos para datas anteriores (antecipação).”

O co-autor Steven Beissinger, professor da Universidade da Califórnia em Berkeley, acrescentou: “Isso sugere que as espécies podem permanecer em seu habitat (mais quente que o anormal), desde que elas mudem rápido o suficiente para lidar com as mudanças climáticas”.

No entanto, o autor sênior do estudo, Alexandre Courtiol, também de Leibniz-IZW, disse: “É improvável que isso aconteça porque mesmo as populações que estão passando por mudanças adaptativas o fazem num ritmo que não garante sua persistência”.

Os cientistas disseram que foi uma preocupação majoritária que os dados analisados incluíssem espécies predominantemente comuns e abundantes.

Sabe-se que estas espécies, european pied flycatcher (Ficedula hypoleuca), e o eusarian megpie (pica-pica) lidam relativamente bem com a mudança climática.

Respostas adaptativas entre espécies raras ou ameaçadas continuam a ser analisadas.

“Nós tememos que as previsões de persistência da população para essas espécies de conservação sejam ainda mais pessimistas”, concluiu Stephanie Kramer-Schadt, da Leibniz-IZW.

Os pesquisadores esperam que sua análise e os conjuntos de dados reunidos estimulem a pesquisa sobre a resiliência das populações de animais diante da mudança global.

Eles ainda esperam que isso contribua para uma melhor estrutura preditiva para auxiliar futuras ações de manejo de conservação.

Os resultados foram publicados na revista Nature Communications.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo