Crocodilos têm o pescoço cortado e a pele arrancada para fazer bolsas

           
Foto: PETA
Foto: PETA

Uma investigação realizada pela ONG PETA expôs o sofrimento desses animais em fazendas de criação de répteis nos EUA e na África, e agora o depoimento de uma testemunha revela a horrível realidade de dezenas de milhares de crocodilos no Vietnã, criados e violentamente mortos para fazer bolsas de couro de luxo vendidas em todo o mundo.

Duas das fazendas investigadas são responsáveis pelo fornecimento de peles de crocodilo para a empresa controladora da Louis Vuitton, a LVMH, e “algumas das maiores marcas de moda”, de acordo com um proprietário de fazenda.

As imagens mostram o que consumo de bolsas de pele de crocodilo, cintos, sapatos ou pulseiras de relógio podem estar apoiando e, em seguida, e a necessidade urgente de medidas para ajudar a parar este abuso.

Foto: PETA
Foto: PETA

Trabalhadores eletrocutam os crocodilos, e em seguida, tentam matá-los cortando seus pescoços e enfiando espetos e hastes de metal em suas colunas vertebrais. Os animais tremem vigorosamente enquanto isso acontece.

A perna de crocodilo pode ser vista levantando-se depois que ele foi aberto. Então os trabalhadores o deixam para sangrar até a última gota.

Este método de morte cruel há muito se mostra desumano, e especialistas descobriram que os crocodilianos permanecem conscientes por mais de uma hora depois que sua medula espinhal foi rompida e seus vasos sanguíneos cortados.

Foto: PETA
Foto: PETA

Um especialista em répteis que assistiu a cenas dos crocodilos sendo mortos e disse que “as incisões no pescoço dos animais teriam sido muito dolorosas e desumanas”, e “não há probabilidade de que esses animais ‘morram instantaneamente’”.

A investigação mostra no vídeo os trabalhadores levando os crocodilos para uma sala adjacente onde eles cortam sua pele – um processo que leva de 15 a 20 minutos por animal. Imagens mostram que um crocodilo continuou a se mover depois de ser esfolado.

A equipe de investigadores visitou uma fazenda que contém dezenas de milhares de crocodilos e mata 1.500 deles a cada três meses. Nesta fazenda – que fornece peles para Louis Vuitton – cerca de 5 mil crocodilos eram mantidos em pequenos recintos de concreto – alguns mais estreitos do que o comprimento de seus corpos, onde os animais mal podiam se mexer.

Foto: PETA
Foto: PETA

Um dos investigadores foi informado de que eles são mantidos nessas condições, o que um especialista em répteis chamou de “excessivamente restritivo, desestimulante e desumano” para animais de grande porte como os crocodilos, que chegam a fica confinados por 15 meses antes de finalmente serem mortos.

Nesta fazenda e outra que fornece peles para a LVMH, crocodilos foram colocados em poços de concreto. Quando vários animais são alojados juntos, é provável que resultem agressões e ferimentos, e estes geralmente levam a infecções e doenças. Um crocodilo estava sem cauda.

Foto: PETA
Foto: PETA

Depois que os crocodilos foram abatidos, os trabalhadores cortaram e arrancaram a pele – tudo apenas para fazer bolsas de luxo, carteiras e outros itens a serem vendidos pela Louis Vuitton e outras marcas.

A PETA expôs a crueldade em fazendas de répteis em três continentes, e a história é sempre a mesma: confinamento severo e fechado e uma morte violenta. Antes de comprar itens feitos de peles de animais, é mandatório, parar e pensar nos animais de onde esses itens vieram e em seu intenso sofrimento.

A conscientização tem como objetivo alertar a população para que não apoiem essa crueldade com suas compras.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo