HSI realiza campanha contra a exportação de filhotes de elefantes

           
O país tem a intenção de exportar mais 35, segundo a organização Humane Society International (Foto: Kapama)

A Humane Society International (HSI) está realizando uma campanha contra a exportação de filhotes de elefantes do Zimbábue para a China. Os animais são retirados da natureza e enviados para zoológicos.

Mesmo com a oposição de outras nações africanas e de organizações que atuam em defesa dos animais, desde 2012 o Zimbábue já capturou e exportou 108 filhotes e agora tem a intenção de exportar mais 35, segundo a organização.

Para mostrar ao governo do Zimbábue a dimensão da oposição global em relação a essa prática, a HSI disponibilizou em seu site uma petição que pode ser assinada por pessoas de qualquer país.

“Vamos nos unir e dizer ao Zimbábue para manter os elefantes africanos em seu estado selvagem, em solo africano e a não sujeitá-los a viver em cativeiro para entretenimento em instalações na China ou em qualquer outro lugar”, pede.

O Zimbábue também é conhecido por permitir que pessoas de outros países pratiquem a caça esportiva de elefantes, desde que “paguem bem”. No mês passado um empresário dos EUA divulgou fotos de dois filhotes de elefantes que ele matou por “hobby”.

De acordo com a Born Free Foundation, organização britânica que atua em defesa da vida selvagem, um elefante é caçado e morto a cada 25 minutos por causa da demanda de marfim, que é utilizado na medicina oriental, mesmo que sem comprovação de benefícios.

Para assinar a petição, entre no site da HSI ou clique aqui.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo