Leitãozinho sobrevive em Brumadinho e ganha o nome de Guerreiro

           
“É um mistério como conseguiu se salvar. Foi bom ver o bichinho de novo” (Foto: André Ávila/Agência RBS)

Os agricultores Pedro de Jesus e Isamara de Araújo estavam esquentando o almoço quando foram surpreendidos pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG). “Parecia o fim do mundo. Só deu tempo de sair e correr”, relatou Isamara ao GaúchaZH.

Um hectare de cana, um pomar, uma casa de alvenaria, oito cabras, 50 galinhas caipiras e 20 d’angola, além de uma porca com oito leitões, foram soterrados pela lama tóxica. O único sobrevivente foi um leitãozinho que reapareceu enlameado horas depois.

O casal ficou tão surpreso que decidiu dar ao animal o nome de Guerreiro. “Esse aí não morre mais tão cedo. Decidimos que ficará sempre com a gente. Não será abatido. É um mistério como conseguiu se salvar. Foi bom ver o bichinho de novo”, declarou Jesus ao GaúchaZH.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo