PETA faz petição para acabar com testes em animais na Universidade de Bristol

           

A PETA lançou a campanha para pedir à Bristol, assim como a outras importantes universidades do Reino Unido, que abandonem a prática após a notícia de que a universidade realizou procedimentos em mais de 26.000 animais em 2017.

Foto: PETA

Experimentos em animais não são apenas cruéis – eles são cientificamente falhos e não preveem efeitos em humanos”, diz a instituição de caridade animal.

Em setembro, foi revelado que dezenas de milhares de animais foram usados para pesquisa na universidade em apenas um ano, incluindo 13.472 ratos, 8.964 peixes-zebra e 101 suínos.

Embora os números sejam menores em comparação a outras universidades de ponta, como Oxford e Edimburgo, ativistas pelos direitos animais fazem campanha para que a prática seja limitada ou interrompida no futuro, em favor de métodos alternativos.

De acordo com o Bristol Post, Julia Baines, consultora de política científica da PETA UK, disse que é alarmante que a maioria dos procedimentos cruéis e experimentais em animais conduzidos na Grã-Bretanha ainda ocorra nas universidades. Mais de 26.000 procedimentos foram realizados em peixes, camundongos, ratos e outros animais somente na Universidade de Bristol em 2017.

“Agora sabemos que os peixes têm personalidades únicas, como os cães e os gatos, que os ratos são ferozes protetores de seus filhotes e usam sons complexos de baixa frequência para se comunicar, além de terem a capacidade de experimentar uma ampla gama de emoções. É antiético sujeitar esses animais sensíveis e inteligentes a vidas miseráveis em laboratórios e procedimentos dolorosos e aterrorizantes.

Foto: Stock image

Instituições líderes estão percebendo que para ficar no topo da classe, elas precisam deixar para trás experiências inúteis em animais e adotar tecnologia superior, como sistemas de testes com células humanas e computadores.

Recentemente, escolas na Índia foram intimadas a substituir a dissecação de animais. Graças a uma denúncia da PETA nos EUA, 129.000 e-mails e uma longa campanha, o financiamento para experimentos cruéis de sepse usando ratos na Universidade de Pittsburgh foi extinto.

“Pedimos à Universidade de Bristol que faça sua parte em 2019 e acabe com os experimentos cruéis em animais e abracem uma pesquisa humanitária e livre de sofrimento.”

Um porta-voz da Universidade de Bristol disse: “A Universidade de Bristol reconhece que algumas pessoas têm preocupações com o uso de animais em pesquisas. No entanto, também reconhecemos que a pesquisa envolvendo animais é vital para avanços médicos, veterinários e científicos que melhorem a vida de animais e seres humanos.

“Sempre que possível, nossa pesquisa se baseia em modelos de computador, voluntários humanos ou células cultivadas em laboratório. No entanto, esses métodos não são adequados em todos os casos. “É por isso que, quando absolutamente necessário, apoiamos o uso de animais nas pesquisas que incluem: pesquisa cardiovascular e de câncer, pesquisa de doenças associadas à infecção e imunidade, bem como pesquisa veterinária e agrícola”.

“Estamos comprometidos com uma cultura de cuidado onde os animais são tratados com compaixão e respeito. Todas as nossas pesquisas envolvendo animais são revisadas eticamente e cuidadosamente reguladas pelo Ministério do Interior. Todos os nossos cientistas e técnicos que trabalham com animais recebem treinamento especializado para garantir que seu trabalho promova o bem-estar animal e esteja em conformidade com a legislação pertinente”.

“Eles também estão comprometidos com os 3Rs – substituindo animais por alternativas não-animais, reduzindo o número de animais usados e refinando as técnicas que os envolvem animais.”

Testes em instituições de ensino brasileiras

O projeto de lei 706/2012, de autoria do deputado estadual Feliciano Filho, que atingiria diversos cursos na área de saúde, chegou a ser foi aprovado pela Alesp mas foi vetado integralmente pelo ex-governador Geraldo Alckmin.

Três universidades estaduais de São Paulo, a Unesp, Unicamp e USP, pressionaram pelo  pediram o veto integral ao PL 706/2012. O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-SP) também pediu que Alckmin a vetasse o projeto de 2012.

“Embora reconheça os nobres objetivos do legislador, inspirados na incensurável preocupação com o bem-estar animal e a observância de preceitos éticos no seu uso em atividades de ensino e formação profissional, vejo-me compelido a recusar sanção projeto”, disse o governador no texto publicado pelo Diário Oficial do Estado de São Paulo.

O governador ainda alegou que, além de não da competência legislativa estadual, a matéria já estava sendo tratada no âmbito federal por meio da lei 11.794/2008, regulamentada pelo decreto 6.899/2009.

 

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo