Pesquisa revela que recursos naturais foram consumidos em tempo recorde este ano

           

Um novo estudo revelou que as quantidades de carbono, comida, água, fibra, terra e madeira necessários para um ano, foram consumidas em um recorde de 212 dias.

Como resultado, o Dia de Sobrecarga da Terra, que marca o ponto em que o consumo excede a capacidade da natureza de se regenerar, foi antecipada para o dia 1º de agosto.

Neste ano, a data chegou mais cedo que em qualquer outro desde que o planeta entrou em sobrecarga, na década de 1970. E de acordo com as tendências de consumo, em 2019 o evento poderá ser realizado ainda em julho.

Segundo o grupo de pesquisa Global Footprint Network, para manter o atual consumo de recursos naturais da humanidade, seriam necessários 1.7 planetas Terra.

A emissão de dióxido de carbono é o principal poluente, sendo responsável por cerca de 60% da pegada ecológica global.

Os recursos naturais necessário para um ano, em 2018 foram consumidos em um recorde de 212 dias. Isso prejudicará a capacidade da natureza de regenerar-se.
Foto: Cultura Mix

As consequências da sobrecarga do planeta são cada vez mais aparentes; eventos como erosão do solo, escassez de água e perturbação climática são mais frequentes do que nunca. As ondas de calor atípicas em todo o Hemisfério Norte, que estão causando mortes e fenômenos impensáveis anos atrás, são um exemplo da magnitude do problema.

O diretor executivo e co-fundador da Global Footprint Network, Mathis Wackernagel, afirmou que as economias em todo o mundo estão criando grandes dívidas ambientais. “Estamos emprestando os recursos futuros da Terra para operar nossas economias no presente. Isso funciona por algum tempo, mas à medida que nações, empresas ou famílias se aprofundam cada vez mais em dívidas, acabam se desintegrando”, declarou.

Contudo, a situação ainda é reversível. A pesquisa também observou que algumas ações poderiam auxiliar no tempo de regeneração do planeta.

A substituição de 50% do consumo de carne por uma dieta vegetariana reduziria a data de sobrecarga do planeta em cinco dias, e a redução pela metade do desperdício de alimentos atrasaria a data em 38 dias. Se os motoristas cortassem a quilometragem percorrida pela metade e substituíssem por transporte público, caminhadas ou bicicleta, a data seria atrasada em 12 dias. A redução do componente do carbono na pegada ecológica em 50% moveria a data em três meses.

Especialistas estão preocupados pois estudos realizados no ano passado revelaram que um terço da terra encontra-se altamente degradado e que as florestas tropicais tornaram-se uma fonte, e não um consumidor de carbono. Além disso, o clima cada vez mais imprevisível, particularmente no Ártico, e o declínio nas populações de abelhas e outros insetos polinizadores, essenciais para as plantações, também têm afligido os estudiosos.

Enquanto a conscientização, tanto da sociedade, quanto das autoridades, acerca da gravidade da situação dos recursos naturais não for alcançada, o planeta continuará a ser destruído em níveis cada vez mais irreversíveis.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo