Veganismo se tornará megatendência em 2018

           

O veganismo será uma forte tendência no ano que vem. Quem afirma é a empresa líder de consultoria em hospitalidade Baum + Whiteman, que recentemente publicou o seu 2018 Food and Beverage Forecast, que diz que a alimentação vegana será uma megatendência em 2018.

O relato da empresa lista uma série de estatísticas inspiradoras: 83% dos estadunidenses incorporam alimentos à base de plantas em suas dietas por razões de saúde; 58% dos adultos bebem leite vegetal; e, no ano passado, a busca pela palavra “vegan” no Google aumentou em 90%.

Sobre o motivo de o veganismo estar crescendo tão rápido, o relatório diz:

“Os Millenials e a Geração X estão adotando os alimentos à base de plantas enquanto ainda são jovens… e provavelmente continuarão assim. Então estamos num cenário que divide gerações, com jovens protagonizando as dietas à base de plantas… e eles são o público-alvo principal da indústria alimentícia.”

Prato com refeição vegana
Foto: Pixabay

A empresa prevê que os restaurantes em 2018 oferecerão refeições que visam atender ao público que consome alimentos à base de plantas, enquanto os novos restaurantes veganos buscarão investidores de alto nível. Ela também prevê que o queijo vegano em hambúrgueres e pizzas se tornará lugar-comum.

Da mesma forma, no ano passado a Baum + Whiteman previu com acerto um boom em carnes veganas, uma vez que os amantes de carne se afastaram dos produtos de origem animal.

Comércio de legumes e vegetais em feira
Foto: Pixabay

As previsões da empresa se alinham com as descobertas de várias outras agências e organizações. No mês passado, um estudo encomendado pela Plant Based Foods Association e The Good Food Institute revelou que o mercado de alimentos à base de plantas atingiu US$ 3,1 bilhões em vendas. Já a empresa de pesquisa Global Data informa que o veganismo na América aumentou 600% desde 2014.

Além disso, a empresa de pesquisa de mercado Mintel descobriu recentemente que o número de produtos veganos na Austrália aumentou em 92% desde 2014 e a Lux Research espera que as proteínas baseadas em plantas constituam um terço do mercado global de proteínas até 2054.

Vaca no campo num dia ensolarado olhando direto para a camêra
Foto: The Leuth Journal

Esta mudança de hábito que vai na direção contrária ao consumo de produtos animais é uma excelente notícia para os inúmeros animais que sofrem horrivelmente nas fazendas industriais. Vacas, porcos e galinhas, entre muitos outros explorados e mortos para virar comida, são tão inteligentes e sensíveis quanto os cães e gatos que adoramos em casa. Mas, nessas fazendas, os animais são submetidos a crueldades inimagináveis, como confinamento extremo, mutilações brutais e mortes violentas.

Mais informações sobre o que acontece na indústria de exploração estão no Terráqueos, entre outros documentários, como A Carne É Fraca. Ou, para saber mais sobre os benefícios da alimentação vegana, assista a What The Health (Netflix).

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo