Depleção do ozônio impacta precipitação em regiões tropicais

           

A nova descoberta mostra como os climas de áreas extremamente remotas estão relacionados.

Polinésia francesa
Foto: Wikimedia

O esforço para fechar o buraco na camada de ozônio acima da Antártica a cada primavera considerado uma das maiores conquistas da política ambiental internacional. No final da década de 1980, a comunidade internacional comprometeu-se a reduzir drasticamente o uso de substâncias que esgotam a camada de ozônio.

Isso resultou na recuperação constante da camada acima da Antártica e, em 2014, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou que, se isso continuasse, a recuperação seria completa até 2050.

No entanto, uma equipe internacional de pesquisadores liderada pelo Centro Oeschger para Pesquisa sobre Mudanças Climáticas da Universidade de Berna concluiu que a depleção da camada de ozônio teve consequências previamente desconhecidas sobre o clima, informou o Phys.

Os pesquisadores descobriram que até mesmo as chuvas nas regiões tropicais do Pacífico são afetadas pelo buraco de ozônio.

“O fato de ocorrerem relações no sistema climático entre lugares tão distantes é fascinante. Porém, é perturbador que as pessoas sejam responsáveis por isso”, declarou o climatologista Bernese Stefan Brönnimann, que conduziu o estudo que acaba de ser publicado na revista Environmental Research Letters.

Simulações com uma variedade de modelos climáticos diferentes e análises estatísticas de dados analisados nos últimos 60 anos mostram que o buraco na camada de ozônio geram um cume ao Leste da Nova Zelândia. A partir desse ponto, um padrão de circulação ondulada se estende sobre o Pacífico Sul e causa um aumento da precipitação no coração da Zona de Convergência do Pacífico Sul.

Por exemplo, a precipitação entre outubro e dezembro em Rikitea, na Polinésia Francesa, aumentou 50% entre os anos 1960 e 1990. Uma grande parte desse aumento ocorreu devido ao buraco na camada de ozônio. Essa tendência se inverterá durante a recuperação do buraco do ozônio que ocorrerá nas próximas décadas: as precipitações na região irão diminuir novamente.

“A depleção significativa de ozônio era conhecida por alterar os ventos sobre o Oceano Austral, mas o efeito até os Trópicos não foi demonstrado anteriormente”, explica Stefan Brönnimann.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com