Estudo mostra que mineração polui o ar europeu há milhares de anos

           

O documento, aceito para publicação na GeoHealth, um jornal da União Geofísica Americana, mostra evidências de que o nível natural de chumbo no ar é essencialmente zero, ao contrário das suposições comuns. A pesquisa mostra que a poluição por chumbo da mineração e fundição foi detectável muito antes da Revolução Industrial e apenas quando a pandemia da Peste Negra interrompeu essas atividades o ar retornou aos níveis naturais.

Colle Gnifetti
Foto: Nicole Spaulding, Climate Change Institute

“Estes novos dados mostram que a atividade humana poluiu o ar europeu quase de forma ininterrupta durante os últimos 2000 anos”, escrevem os autores da pesquisa.

“Somente um colapso devastador na população e a atividade econômica causada pela doença pandêmica reduziu a poluição atmosférica para o que hoje pode ser mais precisamente denominado ‘fundo’ ou níveis naturais”, acrescentam.

De acordo com o Science Daily, as novas descobertas podem impactar os padrões atuais de poluição por chumbo. A política atual de saúde pública e ambiental considera que os níveis de poluição de chumbo pré-industrial são “naturais” e, portanto, presumivelmente “seguros”, mas essa suposição pode precisar ser reexaminada, observam os autores.

O chumbo é um dos poluentes ambientais mais perigosos e é tóxico para o cérebro em níveis extremamente baixos. Nenhum nível de chumbo pode ser considerado seguro em crianças, de acordo com Philip Landrigan, diretor de Saúde Global da Icahn School of Medicine no Mount Sinai Medical Center em Nova York, que não participou da pesquisa.

“Está claro que a liderança possui efeitos duradouros na vida das crianças”, afirmou Landrigan, que pesquisou o envenenamento por chumbo em crianças e foi fundamental na implementação de políticas de diminuição nos últimos anos.

No novo estudo, os historiadores da Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts (EUA), colaboraram com cientistas especializados no clima no Instituto de Mudanças Climáticas da Universidade de Maine, em Orono.

Os pesquisadores compararam novas medições de alta resolução de chumbo em um núcleo de gelo retirado de uma geleira nos Alpes suíços/ italianos com registros históricos altamente minuciosos que mostram que a mineração de chumbo e a atividade de fundição caíram para praticamente zero durante os anos de pandemia de 1349 a 1353.

Foi descoberto que os níveis de chumbo declinaram de repente em uma seção do núcleo de gelo correspondente a essa janela de quatro anos. Esse declínio é o único nos últimos dois mil anos da história europeia, de acordo com Alexander More, um historiador de Harvard e principal autor da pesquisa.

“Quando notamos a extensão do declínio nos níveis de chumbo, e só o vi uma vez, durante os anos da pandemia, ficamos intrigados. Em diferentes partes da Europa, a Peste Negra eliminou metade da população e mudou radicalmente a sociedade de múltiplas formas. Em termos de força de trabalho, a mineração de chumbo foi essencialmente interrompida nas principais áreas de produção”, disse.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo