Intoxicação alimentar pode levar os cães à morte, diz veterinária

           
O poodle Allefy teve uma intoxicação após comer um pedaço de salsicha (Foto: Ana Paula Thiago/ Arquivo pessoal)

É praticamente impossível não compartilhar a comida com os animais, nem que seja só para experimentar, mas o veterinário alerta para os perigos da intoxicação alimentar.

Segundo a veterinária Mariana Lisboa, na comida humana existem substâncias prejudiciais aos cachorros. Alimentos condimentados ou muito gordurosos, por exemplo, podem ocasionar vômitos e diarreia. Um dos maiores vilões é o chocolate, que pode causar graves intoxicações, já que os cães possuem grande deficiência em metabolizar os seus ingredientes.

“Não é recomendado dar nenhum tipo de alimento que não seja específico para cães e gatos, pois seus próprios alimentos contêm todas as vitaminas, minerais e nutrientes necessários para suprir suas necessidades. Além do chocolate, que é muito perigoso, é importante evitar cebola, alho, abacate, uva, castanhas e outras sementes oleaginosas”, explica a veterinária.

Ainda de acordo com a veterinária, dependendo do grau de intoxicação, o animar pode chegar a óbito. Os primeiros sintomas da doença são vômito, apatia, diarreia, dor abdominal e, às vezes, convulsões. Em alguns casos, é necessário o soro e até a internação.

“A primeira coisa a ser feita, ao notar que o animal foi intoxicado, é procurar um médico veterinário. Dentre os procedimentos necessários, incluem, estabilizar os sinais vitais, prevenir futuras absorções ou exposições ao agente, eliminar o tóxico, monitorar os parâmetros e administrar a terapia de suporte”, finaliza.

O poodle Allefy, de nove anos, já passou por uma internação e tratamento de intoxicação alimentar. Segundo a tutora dele, Ana Paula Thiago, o cãozinho começou a passar mal após ingerir um pedaço de salsicha de frango.

“Acordei com ele vomitando e com diarreia e saindo um pouco de sangue nas fezes. Corri com ele para clínica veterinária e foi preciso fazer internação. Tive que substituir a alimentação para ele melhorar. Nos dois primeiros dias, o Allefy não pode comer nem ração. Teve que seguir uma dieta branda, a base de peito de frango e batata”, conta.

Fonte: G1

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo