Gatinha mostra sua felicidade ao ser resgatada de loja de animais

           

Carla Reilly Moore, co-fundadora do Happy Tails Farm Sanctuary (em Ontário, no Canadá), estava em uma missão de resgate de duas galinhas, mas as coisas não aconteceram exatamente como ela planejou.

Gatinha agarrada a sua salvadora
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

“Eu tinha saído para pegar duas galinhas de três semanas que precisavam desesperadamente de um lar. Como não tinha a alimentação adequada para elas, precisei entrar uma loja local de ração. Nesta loja de alimentos em particular, há uma gaiola especial para pintinhos e patinhos vendidos. Aquele dia foi diferente”, disse Carla.

Assim que entrou na loja, ela viu uma pequena gatinha chorando na gaiola, correndo e tentando chamar sua atenção.
Carla não planejava ter mais gatinhos, pois ela e seu marido já tinham resgatado e adotado seis felinos.

“(A gatinha) parecia tão triste que não pude evitar ao menos pegá-la para dar-lhe algum conforto. Eu a peguei e ela imediatamente me agarrou com as quatro patas”, contou.

“Quando tentei colocá-la de volta na gaiola, não conseguia fazê-la ir embora. Existia alguém para me ajudar e eles não podiam fazer isso também. Ela havia me escolhido, foi até meu pescoço e no meu cabelo”, acrescentou.

A doce gatinha estava determinada a ir para casa com Carla e não aceitaria não como resposta.

“Às vezes essas coisas simplesmente acontecem, sabendo que eu não devia levar para casa outro animal sem falar com meu marido, o outro responsável pelo santuário Happy Tails Farm, enviei-lhe alguns vídeos mostrando a situação”, afirmou.

Gatinha após ser resgatada de loja de animais
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

Ele não respondeu de imediato, mas Carla não podia deixar a gatinha que se agarrou a ela como se sua vida dependesse disso.

“A maioria das pessoas não castra seus gatos e muitas não querem fêmeas para não ter que lidar com gatinhos. Honestamente, não sei o que acontece com a maioria das fêmeas, mas não é bom”, frisou Carla.

Carla saiu da loja com a gatinha ainda agarrada a ela. Ela nomeou a pequena de Lola e teve que dirigir para casa com a gatinha na mesma posição, o que não foi uma tarefa fácil.

“Ela queria estar o mais próxima possível de mim e ficou bem na parte de trás do meu pescoço”, disse Carla.
Naquela tarde, Carla não podia fazer nada sem ter a pequena Lola em seus braços ou no ombro, revelou o Love Meow.

A gatinha estava extremamente amedrontada e miava constantemente.

Gatinha se alimentando em seu novo lar
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

“Como ela estava tão perto do meu ouvido, eu podia ouvir o som da respiração estranha e marquei uma consulta com o veterinário. O doce bebê possui uma infecção pulmonar. Demos antibióticos a ela que deve ter uma recuperação completa”, relatou.

Depois de dois dias de amor e tratamento, a doce Lola se tranquilizou e saiu de sua concha.

“Ela se adaptou agora e é tão feliz quanto pode ser! É brilhante, extremamente ativa, curiosa e ama brincar! Ela tenta brincar com outros seis gatos e até com nossos coelhos resgatados”, ressaltou Carla.

Porém, o que ela mais ama é abraçar sua salvadora quando tira uma soneca. A gatinha não é mais “indesejada” e agora sabe como é ser amada.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo