Encalhes de leões-marinhos na Califórnia revelam o estado crítico dos oceanos

Uma pesquisa do Serviço Nacional de Pescarias Marinhas da Associação Nacional Oceânica e Atmosférica(NOAA Fisheries) sugere que a limitação de alimentos para leões-marinhos, especialmente para as mães em fase de amamentação, pode estar aos encalhes de leões-marinhos na Califórnia (EUA).

Leões-marinhos
Foto: NOAA

O estudo é parte de um esforço contínuo para descobrir a causa da mortalidade inesperada de uma década (UME) entre as populações de leões-marinhos da Califórnia.

A UME é definida sob a Lei de Proteção dos Mamíferos Marinhos como “Encalhe que é inesperado; envolve uma extinção significativa de qualquer população de mamíferos marinhos e exige resposta imediata”.

Houve um total de seis mil registros de encalhe de filhotes de leões-marinhos e jovens leões-marinhos ao longo das praias da Califórnia de 2015 a 2016. Os animais não estão apenas recebendo ajuda de instalações de reabilitação para desidratação e desnutrição, mas os jovens também parecem ter um crescimento atrofiado nos estágios iniciais de seu desenvolvimento.

Os cientistas afirmam que estes eventos são provavelmente o resultado da incapacidade das mães em fase de amamentação e dos leões recém-desmamados de localizar e consumir presas suficientes.

O estudo sugere uma correlação entre os encalhes elevados e as condições gerais dos animais que precisam receber cuidados como resultado do declínio na disponibilidade de alimentos ricos em nutrientes, como as sardinhas.

As sardinhas do Pacífico têm um conteúdo calórico mais elevado do que outras presas. Sem elas, a população de leões-marinhos da Califórnia tem uma dieta pobre em calorias.

O NOAA declarou em sua Avaliação de Sardinhas de 2016 que a população de sardinhas do Pacífico, após atingir seu pico de 2007, caiu 90% a partir do último ano. A Oceana afirma que a população de sardinha precisaria aumentar para cerca de 640 mil toneladas métricas.

A pesca é uma das principais responsáveis por esse declínio que mata inúmeras espécies que vivem nos oceanos. Outro fator é o impacto das mudanças climáticas nos mares, apontou o The Intertia.

O evento de mortalidade incomum entre leões-marinhos da Califórnia sinaliza um problema muito maior. Os leões-marinhos são considerados uma espécie sentinela, o que significa que eles são usados para avaliar a saúde geral do ecossistema aquático que eles chamam de lar – e o cenário não é bom.

Por isso, é importante que a comunidade global responda a esses sinais de alerta a fim de garantir um ecossistema abundante e um fornecimento de alimentos saudáveis para os animais marinhos.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com