Gatos, toxoplasmose e gravidez

           
Divulgação
Divulgação

Quando o médico diz “livre-se do gato”
Seguramente que já ouviu falar naquelas situações de grávidas que se “livram“ dos seus gatos por “conselho médico“. A toxoplasmose é uma doença causada por um parasita que pode afetar todos os mamíferos. A particularidade dos gatos nesta doença está presente, pois são os únicos onde o parasita completa o seu ciclo de vida. Quer isto dizer na prática que são os gatos quem excreta ovos de Toxoplasma nas suas fezes quando infestados por este parasita. Geralmente, nos gatos, a infestação é assintomática, ou seja, não se observam quaisquer sinais externos de doença. A transmissão faz-se por ingestão dos “ovos” do parasita quer por contato com fezes de um animal portador ou por consumo de carne com ovos enquistados nos seus músculos. Mas repare. estes “ovos” não estão ativos assim que são excretados pelos gatos, eles necessitam de ficar 24 a 72h ao ar livre para se tornarem infecciosos.

Os gatos em situação de rua são os portadores mais comuns deste parasita. A doença é rara nos gatos “de apartamento“, mas pode surgir nestes animais, principalmente se não comerem exclusivamente ração. Contudo, há que ter em conta que muitas vezes os gatos que são hoje de apartamento foram adotados e a sua proveniência podem ser colônias de animais em situação de rua.

Foto: Sheila Teodoro
Foto: Sheila Teodoro

Calma
Estima-se que cerca de 50% das pessoas são positivas quando testadas para a toxoplasmose, mas isso não significa que estejam doentes, significa apenas que já contactaram com o parasita algures na sua vida, e, neste caso, são consideradas imunes. A forma mais comum de contágio é através do consumo de alimentos crus, especialmente saladas que não tenham sido corretamente lavadas e carnes cruas/mal cozinhadas. Na maioria dos casos de contaminação de humanos com o Toxoplasma também não se observam sinais clínicos ou, se apresentarem, são apenas sinais ligeiros que podem ser confundidos com os de uma gripe.

No caso de uma mulher grávida já ter contatado anteriormente com o toxoplasma, fica imune e não são necessários cuidados adicionais aos de uma gravidez normal. No caso de não ter ainda imunidade, tem que ter alguns cuidados de prevenção, uma vez que, se ficar contaminada durante esta fase, poderá transmitir o parasita ao feto, e é este facto que pode levar às temidas malformações no bebé.

Prevenção
Para prevenção do contágio de uma mulher grávida é apenas aconselhado que a mesma não tenha contato com fezes ou com a areia do gato (é preferível que seja outra pessoa a fazê-lo ou então que a mulher use luvas) e que evite o consumo de alimentos crus. Também não é aconselhável mexer em terra (por exemplo na jardinagem ou agricultura). De facto, está cientificamente provado que manusear carne crua ou trabalhar em jardinagem sem luvas representa um maior risco de contágio do que o seu gato.

Riscos
Existe um teste sanguíneo que pode fazer ao seu gato para descartar a hipótese dele ter tido contacto com o parasita. Se obtiver um resultado positivo não há que entrar em pânico e passo a explicar porquê: Os gatos contraem toxoplasmose por comerem carne crua, seja esta oferecida na alimentação ou mesmo quando caçam (ratos, por exemplo) que contenham algum dos três estádios infectantes deste parasita. Neste caso, os gatos excretarão pelas fezes os “ovos” infectantes entre 3 a 10 dias após a ingestão de tecidos infectados. Esta excreção pode durar até 14 dias após a 1ª exposição do gato ao parasita. Após este período é pouco provável que o gato volte a excretar, pois, tal como os humanos, o gato desenvolve imunidade contra o toxoplasma. Podemos então concluir que, se o seu gato já está consigo há algum tempo, o risco é praticamente nulo. Os “ovos”excretados nas fezes transformam-se em infectantes apenas entre 1 a 4 dias após a excreção e podem permanecer assim no meio ambiente por vários meses. Se eliminar as fezes do gato diariamente da caixa de areia, especialmente se usar luvas, saiba que o risco de contrair toxoplasmose é mínimo!

O meu conselho como médica-veterinária é que mime o seu gato e o deixe fazer parte desta nova etapa da sua vida!

Sheila Teodoro é médica Veterinária e Sócia gerente do Hospital Veterinário Arco do Cego

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo