Elefante baleado por caçador caminha até veterinários em busca de socorro

           

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/FundoConfiança
Reprodução/FundoConsciente

Um elefante do sexo masculino sobreviveu após ser baleado na cabeça por caçadores no Zimbábue.

Segundo veterinários, o animal foi encontrado com um buraco na cabeça apenas cinco centímetros acima do lugar que certamente acarretaria sua morte, informa o Daily Mail.

Eles suspeitam que caçadores atingiram o animal e acreditam que o elefante foi baleado fora do parque de Piscinas de Mana e conseguiu chegar ao local para receber socorro.

Veterinários do Fundo Consciente afirmaram que às vezes encontrar animais que estão lesionados pode ser uma corrida contra o tempo, mas o elefante gentil conseguiu caminhar para pedir ajuda e não mostrou sinais de agressão.

“É como se ele soubesse que tínhamos a intenção de ajudá-lo. Acreditamos que foi baleado fora do parque e veio para dentro em busca de refúgio”, declarou Lisa Marabini à BBC.

O elefante Pretty Boy foi até o carro dos profissionais em busca de socorro.

Reprodução/FundoConsciente
Reprodução/FundoConsciente

‘É um animal extremamente gentil e descontraído, os veterinários conseguiram localizar facilmente o buraco em sua testa”, disse um porta-voz da instituição.

Os veterinários lhe acalmaram e procuraram a bala, mas foi impossível encontrar a posição exata porque o crânio do animal é muito grande e é difícil que os raios-X mostrem os diferentes ângulos.

Os veterinários apelidaram o elefante de Pretty Boy após a remoção de fragmentos de ossos em torno da bala, que estavam cinco centímetros abaixo da superfície da ferida. Espera-se que o animal se recupere completamente.

Segundo o porta-voz da instituição, Pretty Boy recebeu antibióticos e parasiticidas.

Os veterinários estavam preocupados que suas costas fracas pudessem impedir que o animal ficasse de pé, mas ele se recuperou sem problemas e depois repousou a cabeça em uma árvore e cochilou durante meia hora.

“No dia seguinte, ele estava se sentindo muito mais feliz e muito relaxado e deixou que os veterinários chegassem mais perto para uma avaliação final”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo