Por que se importar com causas humanas, ou pelo menos respeitá-las, é levar a libertação animal a sério

           

Cada vez mais pessoas estão aderindo ao veganismo, e isso é uma ótima notícia para os animais não humanos. Mas penso que, junto com a população vegana, não tem crescido a plena consciência dos valores e ideais da libertação animal. Digo isso porque é notável o número de vegans que, por meio de seu ódio e preconceito a muitos seres humanos e sua rejeição enfática e agressiva a causas de libertação humana, têm jogado no lixo os princípios dos próprios Direitos Animais.
Têm sido muitos os vegans defensores de ideias de direita marcantes pela hierarquização, discriminação e dominação violenta contra bilhões de humanos e pela manutenção dos privilégios sociais de uma pequena parcela da humanidade. Muitas dessas mesmas pessoas têm apoiado também políticos e “pensadores” que se empenham na desvalorização dos Direitos Humanos, na restrição de direitos para minorias políticas e na conversão daquilo que deveria ser direito universal em privilégio de poucos.
Além disso, são muitos aqueles que insistem em promover misantropia, racismo, xenofobia (principalmente contra o povo chinês), machismo e misoginia, heterossexismo, transfobia, intolerância religiosa, capacitismo, etarismo e gerontofobia, elitismo e pauperofobia etc. e/ou admiram personalidades veganas, vegetarianas ou protovegetarianas que promovem abertamente um ou mais desses ódios (como Gary Yourofsky, Morrissey e Brigitte Bardot).
Também tem sido comum promoverem meios de “conscientizar” e “divulgar o veganismo” recheados de algum ou alguns desses preconceitos e ódios, como panfletos misóginos, propagandas veganas elitistas e discursos insensíveis às vulnerabilidades sociais de muitas pessoas.
Isso sem falar em gente do próprio meio vegano que chama manifestantes de rua de “vagabundos” e “baderneiros” esquecendo que têm sido cada vez mais comuns no mundo os protestos contra o especismo, se opõe a lutas sociais que contrariam os interesses dos grandes exploradores de animais (principalmente ruralistas da pecuária e capitalistas da indústria lacto-frigorífica), rejeita políticas públicas de inclusão social ignorando que elas podem ser essenciais para o próprio crescimento do veganismo, entre outras posturas que dão tiros de fuzil no pé da causa vegana.
São dignos de menção honrosa também os que declaram oposição explícita – o que muitas vezes inclui ódio – a bandeiras e movimentos de equidade e justiça ética e social, como o feminismo, o movimento negro, os militantes não heterossexuais, o movimento das pessoas trans, os movimentos anticapitalistas, o socioambientalismo, o campesinato, o defensor dos Direitos Humanos etc.
Alguns desses também utilizam falácias do espantalho (que consistem em atribuir ao lado criticado falsos defeitos e criticá-lo com base nos mesmos) contra quem defende a intersecção do abolicionismo animal com essas outras causas, na tentativa de justificar que pessoas que se dizem veganas tenham o “direito” de continuar odiando outros seres humanos e sendo reacionárias.
As pessoas que se enquadram nessas categorias não percebem, mas estão violando com severidade diversos dos princípios éticos do próprio veganismo abolicionista. Entre eles, estão:
– a oposição a hierarquias morais que dividam os seres sencientes em dominantes privilegiados e dominados sem direitos;
– o fomento de uma cultura de paz e igualdade moral;
– o combate a preconceitos que “justificam” desigualdades morais, entre eles o especismo;
– a oposição à manutenção de uma ordem desigual e injusta por meio da violência e de ideologias conservadoras;
– o ativismo por justiça, por direitos fundamentais iguais a todos os seres sencientes na medida do que cada um deles pode desfrutar;
– a rejeição a uma ordem baseada em dominar, aprisionar, explorar e assassinar;
– a oposição explícita a preconceitos “justificados” por arbitrariedades;
– a adoção da ética do respeito aos seres sencientes e aos seu interesses individuais vitais como princípio de vida.
E não notam também que estão obstaculizando o crescimento do próprio veganismo. Fazem isso ao propagar um veganismo socialmente excludente, rejeitar a educação dos não vegans em favor do ódio aos mesmos, desprezar a capacidade do ser humano de mudar de uma postura antiética a uma ética, desprezar (com ódio e preconceito) pessoas que poderiam estar sendo conscientizadas e ensinadas a aderir ao veganismo etc.
Quando conhecemos a postura dessas pessoas, percebemos o quanto é estritamente necessário se importar com as causas humanas, ou no mínimo respeitá-las e lhes aceitar a existência, caso queiramos levar a sério a libertação animal em seus ideais e princípios éticos. Sem preocupação ou respeito à libertação humana, nunca haverá libertação animal – e mesmo saber disso é essencial para que a abolição da exploração animal seja viabilizada no futuro. E não é preciso se obrigar a aderir aos movimentos sociais para se prestar esse respeito ao ideal da emancipação humana.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo