Uma questão de dinheiro ou de consciência

           

A carne é forte ou a carne é fraca?
Se depender do poder do dinheiro a carne é forte e pode comprar – certamente bem caro – a imagem de globais e outros tantos nem tanto. Páginas inteiras e mesmo duplas de jornais e revistas. Vale tudo pelo dinheiro!
Mas será que o tal metal pode comprar a consciência das pessoas? Já não há mais mistério e todos sabemos que animais são sencientes e sensíveis, percebem e sentem todos os horrores a que são submetidos em seu assassinato – também chamado de abate. Cada vez mais consciente disso, aumenta a população de vegetarianos no mundo todo. No Brasil, aprox. 10%, ou seja, cerca de 20 milhões de pessoas já não querem mais ser mandantes desse crime moral. Não querem mais participar dessas chacinas e nem levar esse peso para seu carma.
Num país onde a educação é reduzida e a informação é vendida de acordo com interesses, felizmente cada indivíduo tem o livre arbítrio de abrir seu coração para a compaixão por si mesmo, pelos animais e pela nossa Terra, que está sendo ferida, quase dizimada pelos danos da pecuária.
Políticos e técnicos discursam sobre diminuir o efeito estufa, o desmatamento, controlar a escassez de água e o assoreamento dos rios, mas ninguém fala no plano mais completo para atingir isso: parar de criar bichos para matar e comer.
Por que? Para alguns o poder do dinheiro fala mais alto que a ética, que a espiritualidade e a compaixão.
Mas não para todos, e aos poucos isso vai mudando, pois não há poder maior do que o direito individual de escolha. Tanto dinheiro gasto em comerciais para nos convencer que a carne é forte, mas ninguém pode obrigar você, ou a mim a ser iludido pela propaganda. Ninguém pode decidir por nós. Temos consciência e podemos agir baseados nela, na ética e na compaixão e respeito por todos os reinos.
Então a carne torna-se fraca e nosso poder de escolha cada vez mais forte.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo