Inspire-se nessas encantadoras histórias de adoção

           
Leia e Luke foram um verdadeiro presente de Natal inesperado. Descrição para deficientes visuais: Dois gatinhos de coloração preta e branca estão deitados juntinhos e envoltos em um cobertor laranja que tem um mostro verde como enfeite. Foto: Arquivo pessoal
Leia e Luke foram um verdadeiro presente de Natal inesperado. Descrição para deficientes visuais: Dois gatinhos de coloração preta e branca estão deitados juntinhos e envoltos em um cobertor laranja que tem um mostro verde como enfeite. Foto: Arquivo pessoal

Fátima ChuEcco/Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

O final do ano reservou surpresas para algumas pessoas. Algumas dessas surpresas caíram no colo, outras chegaram de carro. Leia e Luke são dois gatinhos que se encaixam no primeiro caso: literalmente caíram no colo de Silvana Lino e do marido Felipe de Souza, de São Paulo. Exatamente no Natal, dia 25, receberam a visita de um casal de amigos que entregou a eles os dois gatinhos. Os filhotes estavam em uma casa abandonada e foram avistados pelo casal que passava de carro. Então eles pararam no local, desceram e os gatinhos correram em direção a eles, como que entendendo que se tratava de gente disposta a ajudar. “Estavam magros, assustados, famintos e cheios de pulgas. Resolvemos adotar os dois na mesma hora”, conta Silvana.

Branquinha passou por maus bocados antes de ser adotada. Não mexe as patas traseiras, mas isso não impediu de ser amada. Descrição: Cachorrinha branca com mancha preta em um dos olhos está no colo de uma pessoa. Ela parece sorrir e tem fita rosa nas orelhas. Foto: Arquivo pessoal
Branquinha passou por maus bocados antes de ser adotada. Não mexe as patas traseiras, mas isso não impediu de ser amada. Descrição: Cachorrinha branca com mancha preta em um dos olhos está no colo de uma pessoa. Ela parece sorrir e tem fita rosa nas orelhas. Foto: Arquivo pessoal

Já a cachorrinha Branquinha fez em dezembro um longo trajeto de carro, de Uberlândia (MG) até SP em busca de um lar temporário, oferecido por Alessandra Gordo, onde pudesse ficar por conta de uma cirurgia que deveria fazer nas patas traseiras. Mas o que era para ser um lar temporário tornou-se o lar definitivo de Branquinha. “A cirurgia acabou não sendo viável porque a fratura que ela teve num atropelamento já solidificou. Ela não mexe as patas traseiras e usa fraldas, mas se arrasta e me segue por toda a casa. Percebemos o quanto ela é carente e, no final de dezembro, resolvemos ficar com ela”, relata Alessandra.

Foi literalmente uma “vida nova” em 2016 para Silvana e Felipe que nunca tinham tido gatos antes e estão se adaptando à energia e alegria dos filhotes. Silvana acredita que foi realmente muito especial o fato deles terem sido resgatados justamente no dia de Natal: “No estado em que estavam iriam morrer. O mais curioso é que foi muito fácil minha amiga pegar os gatinhos. Eles aceitaram a ajuda dela sem resistir e também se sentiram à vontade aqui em casa rapidamente. E foi tanta sorte para eles que meu apartamento já tinha sido todo telado pelo antigo morador. Eu e o Felipe estamos felizes com a companhia deles. Foi realmente um presente de Natal”, comenta Silvana.

Pouco mais de dez dias depois de adotada, Leia não parece se lembrar da fome e frio que passou na rua. Descrição: Gatinha branca com mancha preta na cabeça e nariz dorme no colo da tutora. Foto: Arquivo pessoal
Pouco mais de dez dias depois de adotada, Leia não parece se lembrar da fome e frio que passou na rua. Seu irmão, logo atrás, também parece estar no sono dos deuses. Descrição: Gatinha branca com mancha preta na cabeça e nariz dorme no colo da tutora. Atrás dela outro gatinho branco também dorme. Foto: Arquivo pessoal

A trajetória de Branquinha foi bem mais difícil. Além de ter sido abandonada na rua já com idade entre nove e dez anos, foi atropelada, perdeu movimento das patas traseiras e ainda pegou doença do carrapato. Tudo isso em Minas Gerais. Duas madrinhas custearam seu tratamento e estavam desde o início de 2015 buscando um lar para ela. Então houve a chance de Branquinha ser operada em SP e Alessandra ofereceu sua casa para hospedá-la. Só que o amor entre as duas bateu forte e Branquinha acabou fazendo a família paulistana crescer. Agora ela convive com mais dois cães, Rex e Nina. “Em breve ela vai se sentir ainda melhor porque sua cadeirinha será ajustada e ela poderá se movimentar mais livremente”, diz Alessandra.

Uma longa viagem até um lar definitivo. Valeu a pena! Branquinha ganhou uma família e dois companheiros caninos. Descrição: A mesma cachorrinha da foto anterior, branca com mancha preta num dos olhos, está coberta por uma manta vermelha. Ela tem um olhar meigo. Foto: Arquivo pessoal
Uma longa viagem até um lar definitivo. Valeu a pena! Branquinha ganhou uma família e dois companheiros caninos. Descrição: A mesma cachorrinha da foto anterior, branca com mancha preta num dos olhos, está coberta por uma manta vermelha. Ela tem um olhar meigo. Foto: Arquivo pessoal

Essas são apenas duas entre centenas, milhares de histórias gratificantes, com pessoas e animais que tiveram suas vidas cruzadas. Às vezes a pessoa nem está pensando em adotar e, de repente, do nada, surge uma oportunidade. E quem já pensa em ter um cão ou gato pode começar salvando uma vida. Todos os abrigos estão cheios de animais carentes, meigos e amigos à espera de um lar. Há inúmeras protetoras independentes afundadas em dívidas, desesperadas, que as pessoas podem ajudar adotando um de seus animais. Inclusive, no portal da ANDA, são várias e diárias as matérias sobre animais que estão precisando de ajuda e adoção urgentes. Na seção “Você é o repórter” também estão vários textos de pessoas que buscam lar para animais carentes. O que não falta nesse mundo é peludo para ser adotado em todo Estado e cidade. Tem branco, preto, amarelo, rajado, pintado, de toda cor, idade e tamanho, mas todos com algo valioso em comum: um coração enorme repleto de amor incondicional para toda a vida. Adote!

*É permitida a reprodução total ou parcial desta matéria desde que citada a fonte ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais com o link. Assim você valoriza o trabalho da equipe ANDA formada por jornalistas e profissionais de diversas áreas engajados na causa animal e contribui para um mundo melhor e mais justo.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo