De Cecil no Zimbábue à Cecília na Argentina: o caso de pessoas não humanas

           

Foi negado o direito de liberdade à chimpanzé Cecília, uma jovem virgem (o termo, em aramaico, quer dizer: aquela que ainda não pariu) de 19 anos, nascida de pai e mãe também cativos, em 1996.
A alegação da justiça argentina é de que não se deve aplicar aos animais outros que não os humanos o conceito de pessoa, nem derivar direitos inerentes a qualquer pessoa humana, tais quais o da liberdade, o da autonomia prática (Stevem M. Wise), e o do respeito aos interesses e direitos fundamentais relacionados à vida específica, para atender aos direitos de não humanos.
Incrível como os juristas podem se manter cegos ao usar o conceito de pessoa, ignorando que ele se constitui exatamente das características da senciência, presentes em animais humanos e igualmente em todos os demais, seja lá de qual espécie forem.
Por um lado, a justiça diz que este conceito de pessoa, ao qual está vinculada a liberdade e demais direitos dela derivados, aplicar-se-ia somente aos humanos. Por outro, essa mesma justiça reconhece sem problema algum uma loja, um posto de gasolina, uma escola ou outra firma qualquer como “pessoa”, bastando qualificá-la como “jurídica”.
Quando se trata de dar aos animais o que jamais lhes deveria ter sido tirado, o estatuto de pessoas, por sua senciência, os juristas regridem no tempo, afrontando o que a própria ciência acabou de confirmar em julho de 2012, que os animais são iguais a nós em consciência, capacidade de sentir dor e prazer, e de ter as emoções mais fortes que experimentamos também: do medo ao pavor, da consciência dos riscos à integridade do corpo ao desejo de se manterem vivos.
Qual o problema em reconhecer a pessoalidade em indivíduos de espécies não humanas? Só tenho uma resposta: presunção de superioridade humana, antropocentrismo, especismo e todas as formas de discriminação que visam hierarquizar os animais para que os humanos melhor possam se aproveitar de sua condição vulnerável e mantê-los sob o seu domínio tirânico. Fora isso, não há como negar que todos os animais, sendo sencientes, por sua vulnerabilidade à dor e ao sofrimento, são pessoas. Basta acrescer ao termo pessoa um qualificante, tipo: pessoa equina, pessoa caprina, pessoa primata chimpanzé, do mesmo modo como se fez com “pessoa jurídica”, que, desculpem-me os juristas, também não é uma pessoa humana.
Os animais ainda são considerados peças do cenário natural, conforme já criticado no vídeo sobre a Lei de Crimes Ambientais. Mas é chegada a hora de reconhecer neles o inegável estatuto de pessoas, portanto, de seres sencientes, nada distintos, nos quesitos senciência, dorência e sofrência (termos de Sir Richard D. Ryder), dos demais humanos.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo