Você realmente quer um mundo compatível com a libertação animal?

           

Este artigo é para você que defende efusivamente os Direitos Animais mas não tem um ponto de vista favorável aos Direitos Humanos e outras causas de emancipação humana. Quero questionar: você realmente quer um mundo onde os valores da libertação animal prevaleçam para todos os seres sencientes?
Gostaria de fazer umas dez perguntas, cujas respostas podem decidir se você realmente defende os valores inerentes aos Direitos Animais e se, portanto, realmente pode se identificar com a causa:
1. Você defende direitos iguais, nivelados por cima, entre os animais humanos e não humanos?
Se sim, por que defende “Direitos Humanos só para humanos direitos”, pena de morte, substituição de cobaias por presidiários em pesquisas violentas, a manutenção da cultura de discriminação contra minorias políticas etc., e acredita que o merecimento de direitos fundamentais por humanos deve continuar sendo um privilégio ou um fruto de mérito pessoal?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
2. Você defende que o abolicionismo animal promova uma cultura de paz?
Se sim, por que defende linchamentos, a continuidade da similaridade das penitenciárias a masmorras medievais, o embrutecimento e não desmilitarização da polícia, ataques de ódio aos adeptos de partidos e/ou ideologias com os quais você não concorda, a perpetuação da cultura de preconceito e da exclusão social, entre tantos outros aspectos que nunca existiriam numa verdadeira cultura de paz?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
3. Você defende a posição do abolicionismo de derrubar hierarquias morais?
Se sim, por que então nunca se posicionou contra as hierarquias sociais humanas que implicam a inferiorização moral e discriminação de quem pertence nos estratos mais baixos delas?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
4. Você defende a liberdade como um dos mais fundamentais Direitos Animais?
Se sim, então por que consente que a sociedade preconceituosa em que vivemos continue negando liberdades a seres humanos de minorias políticas – quando, por exemplo, proíbe homossexuais de se amar, nega à mulher o direito a optar ou não pelo aborto e promove censura moralista contra a cultura negra da periferia?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
5. Você acredita que a libertação animal é a libertação de todos os seres sencientes?
Se sim, por que é contra a libertação de bilhões de seres humanos de um sistema social, econômico e político global baseado em opressão, discriminação, desigualdades sociais e violência? Você realmente acredita que seres humanos não são seres sencientes pertencentes ao Reino Animal?
Se respondeu “não” à pergunta sobre libertação de todos os seres sencientes, então você não defende os Direitos Animais.
6. Você defende que os interesses dos poderosos sejam enfrentados em nome da libertação dos seres sencientes?
Se sim, por que então defende que a propriedade privada de grandes empresas seja mantida intocada, mesmo quando ela implica prejuízos muito graves a seres humanos (que são animais sencientes) e a animais não humanos?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
7. Você defende que tradições violentas e assassinas sejam desconstruídas e abandonadas em nome da libertação animal?
Se sim, então por que não é contra tradições fortemente violentas como o capitalismo, a manutenção da ordem social por meio da violência contra os mais pobres, a discriminação de minorias políticas, o autoritarismo público e privado etc.?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
8. Você é contra a legitimação religiosa do especismo e da exploração animal?
Se sim, por que não estende essa oposição à legitimação religiosa das hierarquias sociais discriminatórias, da intolerância contra quem pensa e crê diferente, do machismo, do autoritarismo e do ódio contra homossexuais?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
9. Você discorda quando dizem que a exploração animal é tradição e por isso nunca vai deixar de existir?
Se sim, por que então não discorda quando defendem que a exploração e discriminação contra os seres humanos das posições mais baixas da hierarquia social é tradição e por isso “nunca vai deixar de existir”?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
10. Você defende a senciência e o interesse individual pela continuidade da vida e da integridade física como parâmetros que determinam que um ser vivo seja reconhecido como sujeito de direitos?
Se sim, por que então não dá a mínima quando seres humanos são privados de seus direitos mais fundamentais e mortos ou deixados para sofrer e morrer pela ordem social hierarquista em que vivemos?
Se não, então você não defende os Direitos Animais.
Espero que, com essas dez perguntas – e suas derivações retóricas –, você (re)pense se realmente defende os Direitos Animais e por que é adepto(a) de duas maneiras totalmente opostas e incompatíveis de lidar com seres sencientes – uma de paz, justiça e igualdade moral para animais não humanos e outra de aceitação ou mesmo defesa da violência, da injustiça e da opressão contra animais humanos.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo