O Morrissey racista e xenófobo que poucos defensores dos animais conhecem

           

SONY DSC
Poucas pessoas sabem, mas o cantor Morrissey, ex-vocalista da banda dos anos 80 The Smiths e conhecido por defender o (proto)vegetarianismo em “respeito” aos animais não humanos, tem um lado racista e xenófobo que complementa sua faceta raivosa de ódio intolerante contra onívoros e “conscientização” por meio da violência.
Há uma denúncia no blog Gawker, datada de 2010, mostrando o lado até então oculto desse Morrissey que odeia seres humanos e, não se interessando pelo veganismo, não se importa de continuar financiando a exploração de vacas, galinhas e outras fêmeas não humanas.
A matéria aponta para uma entrevista feita em setembro daquele ano, na qual ele chama o povo chinês de “subespécie”, no sentido de “ramo inferior” da espécie humana. Em 2008, segundo ela também denuncia, ele depreciou os imigrantes que estabelecem moradia na Inglaterra:
“A questão da imigração é muito difícil, porque, ainda que eu não tenha nada contra pessoas de outros países, [eu vejo que] quanto maior é o fluxo de imigração para a Inglaterra, mais a identidade britânica desaparece. Se você andar por Knightsbridge em algum dia pouco movimentado da semana, você não ouvirá sotaque britânico. Você vai ouvir qualquer sotaque abaixo do sol, menos o britânico. A Inglaterra é agora uma memória [do passado]. Os portões estão inundados e qualquer pessoa pode ter acesso à Inglaterra e estabelecer-se.”
A entidade Love Music Hate Racism (Ame a música, odeie o racismo) reagiu com indignação à xenofobia racista de Morrissey contra chineses e imigrantes e declarou que não aceitaria mais doações dele.
Além de xenofobia e racismo, o cantor também carrega machismo nas costas. Outro post também do Gawker, de 2013, revela a depreciação misógina que ele declarou em sua autobiografia, contra a jornalista Julie Burchill:
É claro que Julie Burchill não é uma pessoa amável, e tem pernas de mulher coroa que dão pena. Seu corpo nu provavelmente devastaria o plâncton marinho do Mar do Norte. Desacorrentada do porão, Burchill com certeza vai fazer com que você se lembre dela… Eu me sentiria honrado se fosse ajudar a fazer o funeral dela, e seria capaz de pular em cima do túmulo.
Assim como Brigitte Bardot, Morrissey também é um péssimo exemplo de “defensor dos animais”. Ambos têm um pesado histórico de “defender” os animais negligenciando o veganismo e declarando ódio misantrópico contra grandes parcelas da humanidade por causa da crueldade e violência de algumas pessoas.
E seu “ativismo” animalista cheio de ódio e intolerância tem prejudicado a causa, queimando o filme da militância vegano-abolicionista – mesmo ele não sendo vegano. Uma declaração sua do início deste ano comparou onívoros com pedófilos, incitando assim que onívoros criem uma repulsa carnista contra vegans e vegetarianos.
Portanto, se você admira Morrissey e Brigitte Bardot, já tem motivos de sobra para rever essa admiração.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo