Marcus Fróes: guarda responsável, um ato consciente de respeito aos animais

           

O Dia Mundial dos Animais é comemorado em 4 de outubro. Nesse dia, por conta de São Francisco de Assis, protetor dos animais e do ambiente, somos lembrados e conclamados a pensar e agir em prol da vida, independente de qual espécie animal estejamos falando, humanos ou não humanos.

A presença de um animal na vida de uma pessoa ou de uma família pode trazer inúmeros benefícios, seja pela simples presença que acaba dando um tom mais tranquilo e divertido ao lar, seja como companhia e, até mesmo, como maneira de ensinar os primeiros passos sobre responsabilidade e respeito para os integrantes mais novos da família humana.

Por falar em responsabilidade, a “Guarda Responsável” tem sido um tema muito discutido e debatido nos últimos anos. Mas será que entendemos verdadeiramente o sentido da guarda responsável?

Primeiramente, é preciso lembrar que estamos falando de uma vida, quando trata-se de cães e gatos, por exemplo, temos uma relação com eles que data de mais de mil anos, quando ainda vivíamos em cavernas. Por isso, essa não é uma relação simples e superficial, mas uma relação complexa e rica em detalhes.

Para uns, fornecer comida, água e abrigo é considerado como “Guarda Responsável”, mas vejamos o que pode estar faltando. Os animais, assim como os seres humanos, necessitam de alimento, água, abrigo, mas também de atenção e carinho, coisas que acontecem entre eles quando vivem em grupo e da forma peculiar a cada espécie animal.

A necessidade de interação social é algo ainda muito negligenciada por parte daqueles que decidem ser responsáveis por uma vida animal. Portanto, quando você pensar em ter um animal, lembre-se que será responsável pela promoção de atividade social a ele. Use e abuse dos passeios, das brincadeiras, promova o encontro do seu animal com outros e pessoas. Ele vai se amarrar.

No final, todos saem ganhando. Afinal, você também estará se exercitando, se relacionando, fazendo novos contatos e amizades. E isso tudo, nos dias atuais, poderá representar um saldo muito positivo na sua vida e na sua saúde. Os pets podem, também, fazer parte de equipes multidisciplinares de tratamento voltadas para seres humanos nas chamadas TAAs (Terapia Assistida por Animais), a exemplo do tratamento de crianças com câncer.

Uma sociedade consciente fará com que o Dia Mundial dos Animais seja um dia de comemoração, e não de luta por algo a ser alcançado, pois todo dia é dia de tratar bem seu amigo animal.

* Marcus Fróes é coordenador do Hospital Veterinário da Unime

Fonte: Correio da Bahia.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo