Estados Unidos reduzem programa de recuperação de lobos-vermelhos

           

Por Augusta Scheer (da Redação)

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os lobos-vermelhos costumavam habitar vastas porções do sudeste dos Estados Unidos, mas, na década de 1960, já tinham sido praticamente eliminados devido à destruição de seu habitat, somada aos programas de controle populacional de predadores. Em 1973, foram declarados espécie ameaçada, e teve início um programa de procriação em cativeiro. Os animais começaram a ser reintroduzidos na natureza em 1987, no refúgio de vida selvagem de Alligator River. A esperança era que a espécie conseguisse se reestabelecer na natureza. As informações são do site Care2.
Hoje em dia, esses animais só existem no estado da Carolina do Norte. Mesmo com décadas de ações de proteção, os lobos-vermelhos são considerados uma das espécies mais raras de mamíferos na América do Norte, e uma das espécies de caninos mais ameaçadas do mundo.
O Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA (FWS) deveria estar fazendo tudo para garantir a sobrevivência dessa espécie, como é seu dever segundo a Lei de Espécies Ameaçadas daquele país. Ao invés disso, tem permitido que os lobos-vermelhos sigam morrendo, e vem obstruindo os esforços para salvar essa espécie.
Na semana passada, o Serviço autorizou o assassinato de uma mãe loba-vermelha numa propriedade privada, apesar dos indícios de que a fêmea estava fazendo uma toca para seus filhotes. Não se sabe que fim levaram os pequenos animais que ela pode ter parido.
A entidade defensora desses animais Red Wolf Coalition lamenta a perda da referida fêmea. “É um golpe não só para essa alcateia, mas para toda a população. Para um grupo populacional pequeno como esse, essa é uma perda significativa.”
Na sequência da morte do animal, diversas entidades acionaram o Serviço para proteger a sobrevivência da espécie, mas o Serviço acaba de anunciar que reduzirá o programa de recuperação dos lobos-vermelhos, cessando as reintroduções de lobos de volta à natureza. O Serviço afirma que precisa antes completar uma avaliação sobre a “viabilidade” do processo de recuperação para a espécie.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Brett Hartl, do Centro de Diversidade Biológica, criticou a medida. “Esses estudos não são necessários, nós sabemos como recuperar e devolver os lobos-vermelhos à natureza.” Hartl demanda que o Serviço trabalhe para reintroduzir os lobos na região sudeste do país, em cumprimento à Lei de Espécies Ameaçadas.
No ano passado, uma avaliação independente conduzida a pedido do Serviço conclui pela necessidade de expandir o programa de recuperação, ao invés de reduzi-lo. Isso não impediu que as autoridades estaduais tomassem medidas pelo fim do programa. A administração federal vem sido conivente com esses retrocessos, como ficou evidente pela atuação medíocre do Serviço de Pesca e Vida Selvagem.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo