Filhote de peixe-boi resgatado recebe acompanhamento 24 horas

           

O filhote de peixe-boi encontrado no dia 14 de setembro de 2013 por uma equipe de brigadistas da Estação Ecológica (Esec) de Maracá-Jipioca recebe acompanhamento de especialistas 24 horas. Ele se recupera no Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), no bairro Brasil Novo, Zona Norte de Macapá. O animal estava encalhado no Rio Amapazinho, na cidade de Amapá, a 302 quilômetros de Macapá.

Os especialistas concluíram que o animal tem poucos meses de vida, e necessita de amamentação e cuidados com a saúde.

Filhote de peixe-boi é alimentado 7 vezes ao dia (Foto: Abinoan Santiago/G1)
Filhote de peixe-boi é alimentado 7 vezes ao dia (Foto: Abinoan Santiago/G1)

Batizado de ‘Vitor’, o peixe-boi mede 1,1 metro de comprimento e tem 20 quilos. Por causa do que ocorreu, o animal passa por reabilitação no Cetas. Ele se alimenta de leite 7 vezes ao dia e de pequenas plantas aquáticas.

“Fazemos 7 mamadeiras com 250 ml, cada. Ele não chega a tomar tudo porque derrama um pouco pelo fato de não estar acostumado com a mamadeira. Então acreditamos que por dia o peixe-boi se alimente com 1 litro de leite. Mas usamos um bico de mamadeira para que a forma como ele é alimentado seja semelhante à recebida pela mãe”, explicou a veterinária Sandra Romeiro.

Peixe-boi recebe medicamentos durante reabilitação (Foto: Abinoan Santiago/G1)
Peixe-boi recebe medicamentos durante reabilitação (Foto: Abinoan Santiago/G1)

Durante o tempo que ficou encalhado, o peixe-boi chegou a sofrer ataques de urubus às margens do Rio Amapazinho, provocando pequenos ferimentos no entorno dos olhos do animal. Entre as medicações recebidas pelo mamífero, é aplicada uma pomada ao redor dos olhos para curar o ferimento.

Além dos cuidados dos funcionários do Cetas, o peixe-boi também tem o acompanhamento de 5 pessoas do Instituto Mamirauá, do Amazonas. A ONG também comprou os medicamentos usados no tratamento do animal.

Filhote de peixe-boi mede 1,1 metro de comprimento (Foto: Abinoan Santiago/G1)
Filhote de peixe-boi mede 1,1 metro de comprimento (Foto: Abinoan Santiago/G1)

“Desde que o animal chegou estamos fazendo o acompanhamento das amamentações, medicamentos e de qualquer alteração que ele pode apresentar. Então estamos aqui 24 horas para ver de perto como o peixe-boi está”, comentou a pesquisadora do Mamirauá, Daiane Barbosa.

Segundo Sandra Romeiro, ainda é cedo para saber por quanto tempo o filhote de peixe-boi vai ser acompanhado por especialistas. “Mas após a reabilitação dele, vamos soltá-lo em ambiente natural”, adiantou.

Fonte: G1

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo