Aldeia polonesa tem mais cegonhas do que pessoas no verão

           
Foto: AFP
Foto: AFP

É uma história de convivência: com mais cegonhas do que gente no verão, a aldeia polonesa de Zywkowo protege estas aves majestosas, que atraem turistas, prosperidade e, segundo a lenda, até bebês.

“Na década de 1960, havia 120 moradores da aldeia e 20 cegonhas. Hoje em dia, é todo o contrário”, disse à AFP Wladyslaw Andrejew, fazendeiro aposentado de 64 anos.

Com o apoio de uma ONG e recursos europeus, esta aldeia no norte da Polônia, muito próxima do território russo de Kaliningrado, conta com estas aves pernaltas para atrair os turistas, gerar trabalho e contrabalançar o êxodo rural.

Por isso, os aldeões não poupam esforços para receber este grande pássaro branco, símbolo de sorte para os povos eslavos e escandinavos.

“Cortam a grama, cavam estanques, montam novas plataformas para seus ninhos, consertam as novas, isolam as linhas elétricas para a segurança das aves”, disse à AFP Adam Lopuszynski, gerente de uma fazenda que pertence à associação PTOP, uma ONG para a proteção das aves com sede em Bialystok, no nordeste da Polônia.

Embora a região seja muito pobre para prender os jovens, estas aves de bico vermelho encontraram em Zywkowo seu paraíso na Terra. Mais de 15 mil casais de cegonhas brancas chegam anualmente à Polônia. Neste país de lagos e pântanos há 50 mil destas aves, o que representa 20% da população mundial, segundo as autoridades locais.

Andrejew tem sido um apaixonado pelas cegonhas desde a infância. Ele consertou e construiu ninhos para seus amigos alados nos tetos, nas árvores e postes de sua fazenda. Ele já as contou, observou e às vezes alimentou e protegeu. Em 2004, um ano recorde, recebeu em sua fazenda 27 casais que tiveram 38 filhotes.

“Com as cegonhas é como tudo o relacionado com a natureza: é preciso colocar o coração. E depois trazem boa sorte”, assegurou. “Sempre vivemos sob a asa protetora das cegonhas e nunca sofremos com a pobreza”.

Todos os anos ela se impacienta na primavera quando ouve os grasnidos característicos destas aves, procedentes da África, que vêm passar o verão na Polônia. “No inverno, quando as cegonhas não estão, o silêncio é terrível”, disse. “No outono, choramos ao vê-las partir”.

Ao se aposentar, Andrejew vendeu à associação PTOP sua antiga casa de trabalho, onde foi lançada uma série de projetos para promover o acolhimento de cegonhas na região. Zywkowo, antes decadente e sem esperança, vê nas cegonhas uma segunda chance.

“Compramos caminhões com elevadores como os usados pelos bombeiros, que nos ajudam a consertar os grandes ninhos nas alturas”, contou Lopuszynski. As pessoas gostam de ver as cegonhas pousadas em grandes ninhos, que pesam 500 quilos, mas podem chegar a duas toneladas, nos telhados de suas casas.

A associação PTOP adquiriu ou arrendou 75 hectares de terra ao redor de Zywkowo. A ONG as explora de forma convencional, pois “as cegonhas se instalam onde há um mosaico de pequenas parcelas de terra”, explicou Lopuszynski.

“Queremos demonstrar que se cuida a natureza, se pode viver ‘lado a lado’ com as cegonhas”, acrescentou este sociólogo que virou especialista na vida animal.

Uma grande torre de observação construída pela PTOP atrai observadores de aves. Um percurso didático pelo povoado oferece a turistas que passam a informação necessária sobre estas aves.

O programa de três anos para a proteção das cegonhas na região de Zywkowo, cofinanciado pela União Europeia, é dotado de 1,5 milhão de euros, afirmou Sebastian Menderski, responsável pela PTOP.​

“Fazemos tudo pensando nas cegonhas”, disse à AFP. Para o prefeito do povoado, Stefan Hryszko, o futuro da região está relacionado com as cegonhas. “Se todos os jovens vão, o povoado vai desaparecer”, afirmou.

“Graças à cegonha, há investimentos, há postos de trabalho e se constrói. Isto manterá a vida aqui”. Além disso, “a cegonha é a que traz os recém-nascidos! Segundo alguns, é suficiente que uma mulher veja uma cegonha para ficar grávida”, brincou Andrejew, pai de cinco filhos, em alusão à antiga lenda que inspira livros infantis, alertas publicitários e informes de nascimento.

Fonte: Terra

Nota da redação: embora a convivência seja harmoniosa atualmente, é necessário questionar se esta harmonia seria mantida caso não houvesse um interesse econômico por trás dos cuidados com as cegonhas. A defesa de uma vida equilibrada e harmoniosa com animais não-humanos envolve o reconhecimento de seu valor moral mesmo sem nenhuma vantagem econômica como recompensa.  

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com