Cães e gatos entram na ‘era do chip’ em Manaus (AM)

           
Chips evitam que cães fiquem soltos nas ruas. (Foto: Diego Janatã)
Chips evitam que cães fiquem soltos nas ruas. (Foto: Diego Janatã)

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) iniciou o trabalho de identificação e registro de cães e gatos de Manaus (AM), por meio da implantação de um microchip nos animais que são submetidos à esterilização cirúrgica (castração) no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), da Prefeitura de Manaus. A meta é implantar uma média de 300 microchips por mês nos animais que forem castrados no CCZ e evitar que os cães e gatos que tenham tutores fiquem soltos nas ruas.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Evandro Melo, se até há pouco tempo a única forma de identificar um animal doméstico era uma coleira, o avanço da tecnologia possibilitou que cães e gatos tenham um dispositivo de apenas um centímetro que guarda inúmeras informações sob a pele, o microchip.

“O microchip ainda é mais eficiente do que a coleira porque não pode ser perdido pelo animal nem retirado por qualquer pessoa, a não ser mediante cirurgia. Acreditamos que com o chip, os tutores vão pensar duas vezes antes de abandonar seus animais. É uma questão de saúde pública, porque ajuda a controlar a população animal e animais bem cuidados não transmitem doenças às pessoas”, disse Evandro Melo.

A ação, de acordo com o secretário, visa dar cumprimento à lei municipal nº 1.590/2011, que disciplina a criação, tutela, guarda e transporte de cães e gatos em Manaus. “A lei obriga, entre outras coisas, os tutores a manter seus animais identificados, com coleira e guia em vias públicas e a recolher os dejetos”, ressaltou.

Evandro Melo explicou que, neste primeiro momento, o procedimento estará disponível apenas para os animais castrados no CCZ, mas que esta atividade faz parte da Política Municipal para a Vigilância e Controle de Zoonoses que deverá ser compartilhada com outros órgãos e secretarias.

“A Semsa vem trabalhando intensamente no sentido de sensibilizar a sociedade e mobilizar todos os setores do poder público para resolver um problema que é de interesse de todos e com reflexos na saúde pública e no meio ambiente”, explicou o secretário, acrescentando também que o órgão pretende desenvolver uma estratégia própria de controle populacional de cães e gatos.

Fonte: Em Tempo Online

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo