Os animais comemoram o Ano-novo? ou 'Haja champagne'

           

réveillon
Sejamos sinceros. Os animais não-humanos têm algo a comemorar com a chegada de um novo ano? Se os humanos já forçam a onda como se estivesse vindo um 1º de janeiro redentor de todas as chagas de cada um, e assim não será, os não-humanos têm pela frente apenas mais 365 dias de bombardeio, prisão, trabalhos forçados e caprichos sádicos. Há uma guerra contra eles, e nem ao menos têm direito a usar capacete — alô, bem-estaristas.
Sejamos sinceros. Aquele cavalo que neste momento está puxando uma carroça, alucinado de dor nos dentes, não ganhará asas para, como um Pegasus urbano, libertar-se da vida de submiserável. Voar para as planícies de onde vieram seus ancestrais, com longas crinas, a partir de janeiro? E a ficha não caiu também para os que ‘amam cavalos’, então querem um animal-motocicleta, já domado, ferrado, preso e docilmente esperando o peso da bunda que vai se sentar sobre as costas, para então ‘dar um passeio’. Ah, sejamos sinceros.
Na Voz do Brasil, esses dias uma senadora celebrava a construção de usinas de ‘beneficiamento de peixe’ na região amazônica. “Será possível produzirmos nosso próprio bacalhau”, discursou a pa-ra-lamentar. Referia-se ela ao bacalhau-produto, aquela múmia fedida que enlouquece as donas de casa às vésperas da Páscoa, que seria produzido com espécies nativas, uma espécie de uísque paraguaio obviamente ecológico e sustentável. Estarão poupados os peixes amazônicos de serem beneficiados — não há maior criador de eufemismos do que o Rei Mercado I – na próxima Páscoa?
E ali juntinho, já que a tradição dança de rosto colado com a ignorância, não teremos farra do boi no litoral catarinense, vaquejada no nordeste, Cavalgada do Mar aqui no RS, ‘country rodeo’ em SP e todas as demais atividades de cunho cultural, folclórico, histórico, cívico, patriótico e míope. ‘A lágrima é verdadeira’.
Ninguém vai chutar cachorro. Nenhum galo vai aparecer morto em encruzilhada. Nenhum passarinho vai passar a vida em aquário de metal. Nenhum javali vai ser caçado ‘para o bem da fauna e natureza’. Coelho algum vai ser piloto de teste da maquiagem das dondocas no próximo réveillon. Cobaia alguma vai ser o ouro de tolo para quem ainda acredita que a saúde é fornecida por aqueles que lucram somente quando as pessoas estão doentes. Porco zero. Vaca zero.
O leite não terá atravessadores, vai do úbere direto para o bezerro, sem hormônio, cruzamento genético, máquina suga-suga, patrão de olho nem financiamento do Governo. E uma ficha do tamanho dos anéis de Júpiter vai cair, fazendo que as pessoas percebam que, ora vejam!, não se toma leite de onça, nem de cadela, e se vive muito bem, e os ossos não se desintegram. E que os únicos humanos com ‘caninos’ são os vampiros, os demais têm a dentaura bem alinhadinha. Até pagam caro para alinhá-los, se assim não forem. E não têm pique para pular no pescoço de uma zebra, rolar com ela — enquanto alguém da NatGeo filma — e começar o almoço ali mesmo, em meio aos últimos coices. A tempo de voltar para o escritório.
Então me parece escárnio desejar ‘feliz ano-novo’ se há uma preocupação com quem está no andar de baixo, esmagado justamente pelo nosso próprio peso. Quem não se preocupa e só repete o que a mãe ou a TV ensinou, ainda traz desculpas-à-queima-roupa para justificar qualquer ato incompatível com as fotos de cãezinhos fofos numa cesta que posta no Facebook para os amigos ‘curtirem’. E isso resume a vida de muita gente, não só especificamente na indiferença frente à dor e/ou escravidão dos demais animais.
Haja champagne para acreditar nisso.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo