Projeto de lei divide opiniões sobre matança de animais para prevenção de leishmaniose

           

Um projeto de lei que tramita na Câmara Federal prevê o fim da obrigatoriedade de sacrifício de animais infectados pela leishmaniose. A ideia é defendida por médicos veterinários de Campo Grande, como o coordenador da Comissão de Leishmaniose do Conselho Regional de Medicina Veterinária, André Luís Soares da Fonseca.

“Estima-se que, somente neste ano, cerca de 12 mil cães tenham sido eutanasiados na capital do MS, uma matança de cachorros sem necessidade, já que para prevenir que a doença seja transmitida ao ser humano é preciso fazer o controle do vetor, o mosquito flebótomo”, diz o veterinário.

O médico veterinário Cristiano Marcelo Espínola defende que é difícil para um veterinário conceber a eutanásia de cães, a não ser em estágios avançados da doença. “O animal em tratamento fica ainda com parasitas dentro do corpo, mas a carga parasitária diminui. Por esse motivo o Ministério da Saúde indica a morte do animal”, esclarece.

“Apesar disso, o animal fica menos infectivo e há medidas para controlar a transmissão da doença, como a colocação de coleiras repelentes de mosquito nos animais, limpeza de terrenos baldios e controle da população de mosquito. É uma questão complicada, porque se fosse fácil controlar mosquito não teríamos mais a dengue e nem a febre amarela”, explica.

Segundo a veterinária do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) Doutora Iara Helena Domingos, a determinação do Ministério da Saúde é eutanasiar os cachorros com a doença. “Não adianta o CCZ falar em tratamento, se a determinação do Ministério é matar. É proibido tratar um cão com leishmaniose”, disse.

A presidente de uma ONG que cuida de animais, o Abrigo dos Bichos, Maria Lúcia Metello, explica que uma ação civil pública movida desde 2007 pede o número de animais mortos pelo CCZ. “É uma caixa preta, ninguém tem acesso a esse dado, que deveria ser público para estudarmos medidas de prevenção à doença”, explica Maria Lúcia. A assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde confirma que este é um dado sigiloso da prefeitura.

Soraia Salete Esteves tem uma cachorra de dois anos que tem a leishmaniose há cerca de um ano. “O CCZ apenas ligou na minha casa comunicando que a minha cachorra tinha a doença. Eu procurei uma veterinária e faço o tratamento dela há um ano, que cura apenas os sintomas. Os pelos pararam de cair e as feridas ficaram cicatrizadas”, disse.

Para proteger a família da doença, Soraia mantém o quintal limpo e borrifa citronela na casa e no quintal, além de usar repelente na cachorra.

O projeto é de autoria do deputado federal Geraldo Resende (PMDB/MS).

Fonte: Midiamax

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo