A hipocrisia do abate humanitário recebe homenagem

           
Foto: Divulgação

Por Lobo Pasolini (da Redação)

A mulher cujo maior mérito na vida é ter desenhado matadouros ‘humanitários’ para animais explorados em fazendas foi homenageada pela American Humane Association (não confundir com a Humane Society) sábado (08) durante uma cerimônia no Texas, EUA. Ela recebeu a medalha maior chamada National Humanitarian Medal.

Gradin é uma figura absurda. Ela diz amar os animais e os entender melhor por ser autista, uma afirmação obviamente que serve muito a sua carreira bem sucedida, mas para os animais é um desastre. A HBO fez até mesmo um filme sobre ela estrelado por Claire Danes, ou seja, o marketing pessoal dela funciona muito bem.

Várias organizações de defesa animal, incluindo a PETA, cortejam Gradin como uma pessoa que faz o bem para os animais, baseado no princípio bem-estarista de que ela diminui seu sofrimento. Mas isso é um grande golpe de marketing que só faz retroceder a causa animal. O que ela vende é uma anestesia moral para que as pessoas continuem a consumir o resto de animais explorados pela agricultura animal.

É uma lástima que uma organização como a American Humane empregue seus recursos para promover uma pessoa que desenha câmaras da morte. Com amigos como esses, o que os animais podem esperar de seus inimigos?

Comunicar erro

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo