Ainda no tempo das carroças

           

Em pleno despertar do século XXI para o desenvolvimento científico e tecnológico em várias áreas do saber, e saliento aqui, especificamente, a autonomia da mobilidade e do deslocamento humano através dos meios de transporte modernos, ainda persiste, sobretudo em nosso meio urbano, as milenares carroças puxadas por cavalos. Trata-se do arcaico, convivendo de uma forma nada sincrônica e harmônica, com o moderno; o atraso persistindo com o progresso.

Égua resgatada pela entidade Chicote Nunca Mais na cidade de Gravataí (RS). Foto: Chicote Nunca Mais

É bem verdade que, segundo especialistas do trânsito, os congestionamentos caóticos vividos diariamente em decorrência do aumento dos veículos nas ruas das grandes cidades e regiões metropolitanas, tem nos levado a retroceder (em velocidade percorrida) ao tempo das diligências, porém não devemos aceitar que as próprias ainda estejam nas ruas. Que fiquem os motores a cavalo e não os cavalos no lugar dos motores.

Aliás, num conturbado e estressante trânsito, nunca se sabe qual a reação que um equino pode ter e as consequências e riscos em relação à segurança e a vida das pessoas são imprevisíveis. Melhor não arriscar! A prevenção com a limitação ou proibição nos centros urbanos é a melhor solução, muito razoável e de bom senso. Discursinho politicamente “correto” em favor da permanência das carroças circulando nos centros urbanos é estapafúrdio e oportunista.

Os cavalos são animais extremamente sensíveis e na maior parte dos casos são covardemente assoleados com relhos e chicotes por seus tutores ignorantes, que os tratam como verdadeiros escravos. São sobrecarregados com pesadas cargas e sequer podem descansar adequadamente para recompor suas energias. São condenados à fadiga de um sol escaldante no verão, onde amargam uma sede brutal. No inverno, são castigados com o frio e chuva constante a deslizar pelo lombo. Muitos não resistem ao sofrimento e tombam pelas vias.

As necessidades fisiológicas excretórias se dão em movimento, deixando pelas ruas um rastro de sujeira e odor insuportáveis. Além de ser uma questão de saúde pública e preciso equiparar as responsabilidades daqueles que tutalam um animal. Da mesma forma que há uma obrigação moral (nem sempre legal) do cidadão em recolher com um saquinho o cocô do seu cachorro, o mesmo deve ser feito pelo sujeito que monta ou conduz um cavalo numa carroça! E os menores condutores de carroças, inclusive crianças, não devem passar indiferentes ao olhar dos agentes de trânsito ou da segurança pública, seja de que instância for. A carroça e seus condutores deveriam cumprir as mesmas regras de trânsito. Além disso, há a questão da exploração do trabalho infantil, que as autoridades públicas não devem ficar omissas!

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo