Fim dos testes de cosméticos em animais para 2013 corre riscos

           

Por Natalia Cesana  (da Redação)

Foto: Reprodução/Affaritalian

A Comissão Europeia apresentou, em 13 de setembro, ao Parlemento Europeu e ao Conselho da União Europeia a relação anual de métodos alternativos à experimentação animal no setor de produtos cosméticos e as instruções que deverão decidir o destino final da Diretiva 2003/15CE, que prevê o veto das experimentações em animais de produtos destinados ao uso cosmético a partir de 2013.

Por meio desta diretiva, em 2004 entrou em vigor a primeira proibição, isto é, o comércio de cosméticos testados em animais. Depois, em 2009, foi dado um segundo passo que previa a quase total exclusão do uso de animais vivos para fins experimentais na área cosmética. Porém, ainda são praticados três testes fortemente invasivos: toxicidade por uso repetitivo, toxicidade reprodutiva e toxicocinética (absorção, distribuição, metabolismo e excreção da substância no exame). Por isso ainda são comercializados na Europa cosméticos testados em animais.

O fim destes experimentos, ao menos nesta área de pesquisa, é previsto para 2013, mas ao apresentar a lista de procedimentos, a Comissão Europeia dá indícios de que tal proibição não será respeitada sob justificativa de uma suposta ‘falta de alternativas’ aos três testes ainda ativos. A previsão para o fim dos testes cosméticos, portanto, é de pelo menos 10 anos: ainda dezenas de milhares de coelhos, ratos e camundongos recebem injeções, são queimados e ficam cegos em todo o mundo em função dos cosméticos destinados à Europa.

A Comissão Europeia também avalia os impactos (ambiental, econômico, social e de benefício aos animais) que surgiriam com a proibição total da comercialização caso seja respeitado o prazo até 2013. E, com base em tal proibição, decidirá, até o fim de 2011, se apresentará uma nova proposta para modificar ou manter tal prazo.

A posição da Comissão é perceptível. Por isso, a Liga Antivivissecção (LAV) concentrou esforços em relação esse assunto.

É fundamental que o Parlamento Europeu respeite a proibição prevista para 2013, em consideração à clara posição contrária da opinião pública ao uso de animais no âmbito experimental. Levando em conta essa posição, é importante que a campanha contra os testes cosméticos continuem sendo apoiada e divulgada com o intuito de influenciar a decisão final das instituições chamadas a votar.

Nos últimos anos têm sido feitos muitos esforços econômicos, políticos e científicos para o desenvolvimento de métodos substitutivos ao uso animal que, além da vantagem ética, garantem mais segurança aos consumidores.

No mercado já existem mais de 20 mil produtos livres de crueldade. Veja a relação das empresas participantes.

As informações são do jornal italiano Affaritalian.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo