Chega de o Bem justificar o Mal!

           

Podem reparar:

O imbecil pega a arma e mata um monte de crianças numa escola. É o Mal, fazendo seu papel, agindo como sempre foi na história humana. Mas lá vai o Bem (meio esquecidinho, que de boas intenções o inferno está cheio) tentando entender, explicar e até desculpar o “coitado” que foi vítima de bullying na mesma escola.

O insano pega o carro e atropela ciclistas como bolas de boliche. É o Mal explícito, direto, arrogante. E o Bem (especialmente a imprensa) ouvindo psicólogos para saber suas motivações íntimas.

Torturam cavalos, bois e touros nas arenas do Brasil, Colômbia e Espanha todos os dias. É o Mal se divertindo e impune. E o Bem (antropólogos, historiadores e xeretas em geral) dissertando sobre as raízes culturais do country e das touradas.

Africanos e árabes (não todos, senão estaríamos perdidos) punindo mulheres, tirando-lhes o clitóris, adorando desmatar, acabar com os animais, chutando cachorrinhos como bolas no Afeganistão. É o Mal sabendo que vai ficar por isso mesmo. E o Bem quebrando a cabeça para decidir se deve condenar essas práticas ou “respeitar” tradições milenares.

Burocratas, políticos e governantes roubando, corrompendo e saindo da cadeia, quando pegos, agradecendo a Deus por corresponder à sua fé. É o Mal crente que “deus” é a senha para a impunidade. E o Bem reproduzindo suas palavras, em som e imagens, com o pretexto de “ouvir o outro lado”.

Adolescentes matando quando, onde e quantos quiserem. É o Mal atirando, como gosta, a torto e direito. E o Bem defendendo a necessidade de defender suas prerrogativas de terem uma nova chance.

Mulheres (muitas, já quase maioria) adorando ser apenas bundas ambulantes, putinhas midiáticas. É o Mal usando o sexo (que não tem nada de ruim) como jeito de chegar lá (leia-se: grana e fama). E o Bem (em especial as mulheres pensantes) conformando-se que o feminismo já era.

Animais (todos) sendo barbarizados em nome da ciência ou da perversidade pura e simples. É o Mal apoiado na superioridade do racional sobre irracionais. E o Bem agitando seus protestos de meia dúzia de gatos pingados.

Classe ‘mérdia’ comprando carros e mais carros, comendo carne e mais carne. É o Mal escudado na lei do aproveite antes que acabe. E o Bem elogiando a expansão da indústria automotiva e das plantações de soja e cana, do progresso, enfim.

Está mais que na hora de o Bem deixar de ser bobinho e chamar o Mal de mal. Como ele é, sem retoques.

O Mal que se explique por conta própria. Se for capaz.

Ulisses Tavares não é bonzinho com o mal que encontra em cada esquina da vida. Coisas de poeta.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo