Estudo alerta que situação do lince-ibérico está cada vez pior

Foto: PÚBLICO/arquivo

O sinal de alerta vermelho soa há 25 anos para o lince-ibérico. Mas apesar dos esforços, a situação da espécie “está cada vez pior”, diz um investigador espanhol que quis saber o que está a falhar e publicou o estudo na revista “Conservation Biology”.

Francisco Palomares, investigador do CSIC (Conselho Superior de Investigações Científicas), não hesita em dizer que hoje, o lince-ibérico (Lynx pardinus) “está cada vez pior”, apesar de “todos os alertas e conhecimento acumulado”, disse ao PÚBLICO.

Em 16 anos, de 1985 – ano em que a União Internacional de Conservação (UICN) classificou a espécie como Ameaçada – a 2001, a área da distribuição geográfica e de reprodução da espécie decresceu. O número de fêmeas reprodutoras e de todos os indivíduos decaiu 86 e 93 por cento e oito das dez populações ainda existentes já desapareceram. Atualmente deverão existir 200 animais divididos por duas populações no Sul de Espanha, separadas entre si por 240 quilômetros. Estes dados fazem parte de um estudo que Palomares e a sua equipa de quatro investigadores publicaram na revista “Conservation Biology”, em Janeiro.

“Fizemos este estudo para que todos estejam conscientes da situação do lince, a fim de sermos capazes de identificar o que estamos a fazer mal e encontrar soluções eficazes”, explicou.

A investigação concluiu que as medidas de conservação, nomeadamente de melhoria de habitats, têm sido aplicadas “em várias áreas pequenas e separadas”, à excepção da intervenção em Doñana. “Um lince-ibérico adulto precisa de um território entre os cinco e os 15 quilômetros quadrados, o que significa que uma população de 50 fêmeas reprodutoras precisa de cerca de 500 quilômetros quadrados de habitat de qualidade”, escrevem os autores.

Em segundo lugar, “têm sido poucos os recursos investidos na monitorização científica do sucesso das medidas de conservação”. Por isso, “apesar de terem sido tentadas várias ferramentas de conservação, pouco se sabe sobre as razões do seu fracasso ou eficácia”, notam os autores do estudo. “Algumas medidas de conservação têm sido aplicadas há 20 anos sem sucesso mensurável.”

Os investigadores salientam ainda que, muitas vezes, os planos de gestão são decididos por responsáveis políticos com mandados curtos, até aos cinco anos, contribuindo para uma “falta de continuidade dos esforços”.

Por último, “quem está no terreno a trabalhar na recuperação do lince-ibérico tem uma confiança limitada no conhecimento científico”. Por vezes, “o conselho científico foi considerado quando já era demasiado tarde”. Segundo Palomares, os cientistas que se têm dedicado ao estudo do lince têm agora uma “sensação de esgotamento e desilusão”. “Os gestores não têm em conta as informações que apresentamos e, além disso, em muitos casos não facilitam que se continuem as investigações”.

Portugal deve ambicionar ter “importantes populações de lince”

Mas o lince ainda não é uma espécie perdida. “Acredito que para o lince não se extinguir é preciso fazer mais conservação efetiva no campo e, além disso, fazê-las melhor”, comentou Palomares. “Com apenas duas populações selvagens, as probabilidades de sobrevivência são muito baixas.”

Fonte: Público

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com