Medicações em biscoitos conquistam cães e gatos

           
Medicar um maltês doente e idoso não é uma tarefa fácil, o que pode prejudicar o seu tratamento (Foto: Fernando Frazão)

Medicar animais doentes pode ser uma verdadeira batalha. A médica veterinária Karine Kleine, especialista em nefrologia e cardiologia, tem como a maioria de seus clientes animais idosos que requerem medicamentos de uso contínuo, mas muitas vezes rejeitam a medicação. Segundo ela, o tratamento que tem obtido maior sucesso é o “remédio biscoito”.

Se o cão tem hipertensão, por exemplo, o anti-hipertensivo é prescrito na forma de biscoito. Já os gatinhos preferem as pastinhas.

A atriz de teatro Márcia Kaplun tem um leão maltês de 15 anos. O cão não aceitava os comprimidos, e era capaz de esconder o medicamento e cuspir depois. Isso prejudicava o tratamento. Com a ajuda do biscoito, ele come rapidinho, sem estresse, e ainda balança o rabo.

Outra novidade nas clínicas e pet shops é a ração com tampinha (o comprimido é colocado dentro dos flocos). Para os animais mais espertos, ainda existe a ração terapêutica, que substitui o medicamento, e é feita para tratar problemas de origem renal, hepática e até cardíaca.

A veterinária Karine Kleine é fundadora do primeiro Centro de Hemodiálise Veterinário da América do Sul. A sua clínica possui até ecocardiograma, hemodiálise e tomografia computadorizada. Lá existem dentistas, cardiologistas, acupunturistas e várias outras especialidades.

Com informações do Mogi News

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo