Cães e gatos idosos exigem atenção e cuidados especiais

           

Depois de anos de corridas, brincadeiras, apuros e diversões,  seu animal, sempre fiel ao seu lado, deve chegar à terceira idade. Assim como nós, os animais também ficam idosos e precisam de atenção, carinho e cuidados redobrados durante essa etapa da vida. A diferença é que, infelizmente, eles atingem essa fase muito mais rapidamente que os seus tutores.

Para se ter uma ideia, em média, cães se tornam idosos por volta dos 8 anos de idade e, os gatos, a partir dos 10. A conta não é tão simples. “A raça e o porte interferem na expectativa de vida dos cães. Animais de grande porte vivem menos por uma série de motivos e doenças pré-dispostas”, diz a veterinária Ana Lúcia Geraldi.

O melhor termômetro para perceber que o animal já é mais do que um adulto é ficar de olho em seu comportamento e na sua saúde. Nessa fase, uma série de doenças podem complicar a vida dele, como catarata, surdez, falta de dentes, artrite, osteoporose, problemas cardíacos, entre outros. Ele deve diminuir o ritmo, ficar mais calmo e solicitar mais a sua atenção também.

Henrique com a mãe Cleonice e o cocker spaniel Pimpa, de 16 anos, que já é um idoso e, por isso, recebe doses extras de carinho e cuidados: respeito aos mais velhos também vale para os animais. Foto: Cristiano Zanardi/Agência Bom Dia

Ancião

Foi o que aconteceu com Pimpa nos últimos anos. O cocker que desafia a expectativa de vida canina está com 16 anos e nenhuma doença, mas já anda devagarinho, meio bambo das pernas. “Das minhas memórias, ele sempre esteve comigo”, conta o estudante Henrique Aquino, que tem a mesma idade que seu cão.

Pimpa já foi um cachorro que não podia ver um portão aberto que saía correndo para rua. Certa vez, perdeu-se, foi encontrado na estrada por outras pessoas e acabou fazendo uma viagem para a cidade de São Paulo antes de reencontrar seus tutores aqui em Bauru.

De gênio forte, nunca foi muito manso e até o dedo do tutor ele já mordeu. Porém, hoje em dia é bem mais calmo e recebe a equipe do Bom Dia, com tranquilidade e uma simpatia de quem guarda muitas histórias em sua memória canina. Porém, ao ver o sobrinho se aproximando da tutora, Cleonice Prado Cavalhieri, mãe de Henrique, mostra que ainda está bem vivo e rosna de lado, cheio de ciúmes.

Cleonice é craque em cuidar de cães idosos. Ela tratou com carinho de uma pinscher que viveu até seus 12 anos de idade e outra cocker, que morreu aos 14. Para ela, um dos segredos dessa longevidade é a higiene. “Troco a água o tempo todo, lavo os potes, não deixo mosca sentar na comida deles…”, relaciona. Pode até ser que esse seja um fator decisivo, mas o que fica claro na relação entre ela e Pimpa é que o segredo da vitalidade vai bem mais além. Está no carinho e na paciência  que ela dedica ao cocker.

O cachorro já tem dificuldade para comer e Cleonice abusa da criatividade para fazer com que ele se alimente. Carne moída com cenoura ralada, pão com leite, rações especiais, um cardápio bem variado.

Carinho e respeito

O fato é que a terceira idade animal exige cuidados. “Eles precisam de local adequado para não haver escorregões e fraturas, por causa de osteoporose, rações específicas para idosos, suplementos alimentares e vitaminas”, diz a veterinária Ana Lúcia.

Ela acrescenta que nessa idade também é preciso fazer exames periódicos o animal ter uma qualidade de vida melhor.

“Hoje a expectativa de vida dos animais aumentou, o mercado pet está em alta, existem vacinas ótimas, alimentação específica, tratamentos alternativos, remédios, exames, veterinários especializados em geriatria. Enfim, um leque de opções, como no caso de humanos, o que falta é um pouco de consciência dos tutores que as vezes se desfazem do seu animal por ele simplesmente estar velho, dando trabalho, e arrumam um novo”, alerta Ana.

Pimpa é um exemplo de longevidade e de tutores extremamente cuidadosos. Porém, o que se vê por aí são animais praticamente descartados nas ruas quando ficam velhos.

Por isso, antes de adotar um animal, pense bem – e pense longe.

Expectativa de vida

Em média cães vivem até  os 12 anos, dependendo da raça, e gatos duram aproximadamente 15 anos.

Com informações do Rede Bom Dia

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo