Animais vítimas da tragédia na região serrana do RJ ainda precisam de ajuda

Rosanna Calmon
[email protected]

Até o momento foram resgatados das áreas de risco, com raras exceções, 724 cães. Muitos gatos também foram salvos. A protetora Rosely (SOS Felinos) está com dezenas de gatos que ela própria socorreu nas áreas de risco em sua casa. Eu, Bebete, também estou com cerca de 40 gatos resgatados: 4 mães com filhotes, 12 filhotes e 2 adolescentes, estes últimos resgatados pelo Toni no Poço dos Peixes, durante um resgate noturno.

De todos os cães que resgatamos, tivemos 5 perdas e atualmete no galpão estamos com cerca de 200 animais (os demais foram adotados em feiras no Rio ou no próprio galpão ou devolvidos para seus antigos tutores). Amanhã a Reny levará uma cadela pitbull com um enorme tumor de mama ulcerado para o Dr Orly realizar o procedimento cirúrgico (ele gentilmente ofereceu a cirurgia gratuita).

A Curupira, através do comando do André executou cerca de 30 operações ortopédicas  animais com fraturas diversas, inclusive expostas). Os resgates continuam. Estamos tendo o apoio de uma Ong internacional (Animal Recue), especializada neste tipo de tragédia, além dos próprios grupos de voluntários do Rio, geralmente encabeçados pelo Toni para realizar esta árdua tarefa.

Dos donativos recebidos, parte estão no galpão das Pimenteiras e o restante guardado na CBF, sob o controle de câmeras e vigilantes. A medida que são necessários, os mesmos são encaminhados para o galpão do Meudon, já que há muito pouco espaço para os animais. Estou, literalmente há 32 dias dentro do galpão. Participei de alguns resgates (Caleme, Campo Gde, Sta Rita etc), mas sinto que sou mais necessária na lida diária com os animais, já que sei administrar mecicamentos veterinários.

Quanto às doações feitas na conta da Ong, a Patrícia Montenegro está preparando um balancete de tostão por tostão gasto em favor dos animais (inclusive no que diz respeito ao pagamento de mão de obra nos galpões). O site está sendo modernizado e atualizado. A Patrícia está apenas aguardando a entrega dos recibos referentes aos pagamentos que foram feitos nos primeiros dias após a tragédia. Minha consciência está absolutamente tranquila. Nenhum tostão arrecado foi colocado no meu sítio (sede da Ong) que, devido a tempestade, está com parte do muro que sustenta os canis abalado.

Alguns animais gravemente enfermos estão no sítio para a Moniquinha (pessoa que toma conta do sítio) cuidar, uma vez que no Meudon eu não teria sequer condições físicas para passar a noite com eles e no galpão das Pimenteiras à noite os animais ficam sozinhos.

Os animais de outras espécies (coelhos, patos, até tartarugas, etc) ou foram adotados ou levados para o sítio. Estamos ajudando também com medicamentos e ração, as pessoas que não abandonaram seus animais. A Jaqueline, veterinária da Patas e Patas, já está realizando todas as cirurgias de esterilização dos animais, tantos todos os adotados nas feiras, quanto aqueles que ainda estão no galpão. Ainda temos muito trabalho pela frente e toda ajuda é bem vinda.

Bebete Filpi Sócia Fundadora do Grupo Estimação

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com