O estado do Mato Grosso é um dos principais ‘fornecedores’ de animais ao tráfico

           
Um filhote é resgatado por policiais das mãos dos traficantes. Foto: sem crédito

Mato Grosso figura entre os principais estados que servem de ‘fonte’ para o tráfico de animais no Brasil. De acordo com dados do Ibama, as regiões fornecedoras de animais para esse comércio são a Centro-Oeste, Norte e Nordeste e os consumidores são Sul e Sudeste.

A biodiversidade mato-grossense faz com que traficantes busquem aves, répteis e mamíferos no estado para revenderem em outras regiões. Os números apresentados pelo Ibama são cruéis. “Para cada animal que sobrevive ao tráfico, pelo menos 10 ou 12 precisam morrer”, calcula o veterinário e chefe do Núcleo de Fauna e Pesca do Ibama, Cesar Soares.

Para cada animal que sobrevive, 10 ou 12 morrem nas mãos do tráfico. Foto: sem crédito

“Desde a captura até a venda, passando pelo transporte, muitos animais morrem. Um macaco, por exemplo, é impossível tirá-lo da mãe sem matá-la. Sem falar do transporte, que é um momento muito delicado, a maioria dos animais não sobrevivem”, explica.

Para passar por barreiras policiais, os traficantes escondem os animais do ‘jeito que dá’. As aves são a maioria. Elas costumam ser transportadas em canos de PCV e pequenos compartimentos.

Já os mamíferos são mais complicados para o transporte. Celso Soares conta que na tentativa de sedar os animais, alguns traficantes costumam dar bebidas alcoólicas para os bichos, se eles erram a dose, o animal pode despertar antes de a viagem acabar.


Para devolver os animais recuperados do tráfico, o Ibama desenvolveu o projeto Asas (Áreas de Solturas de Animais Silvestres). Em parceria com ONGs e propriedades privadas, o Instituto recupera os animais e os devolvem à natureza.

“Muitos vêm mutilados e machucados. Os que podem voltar a natureza são tratados, readaptados e soltos no habitat natural com ajuda dos nossos parceiros. Os que não teriam condições do sobreviver sozinhos, são também recuperados e entregues para criadouros”, explica.

Fonte:  Olhar Direto

Nota da Redação: Quando as leis se tornaram mais efetivas e rigorosas e, principalmente, quando for definitivamente proibido o comércio de animais de qualquer espécie os animais poderão viver com mais paz em seus habitats naturais que precisam ser preservados.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo