Zoológico de Pequim serve carne de animais confinados para os visitantes

           

Por Vanessa Perez  (da Redação)

Carne de canguru é servida aos visitantes do zoo (Foto: Divulgação)

O Zoológico de Pequim, na China, se destaca por dois motivos. O primeiro deles é a grande variedade de bichos em exibição – são mais de sete mil animais. O outro diferencial está nas opções gastronômicas oferecidas pelo zoo. Depois de terminar o passeio, a grande pedida é comer no restaurante Big Feng Tang, cujo cardápio oferece iguarias das mais exóticas – incluindo as carnes de vários animais expostos nas jaulas. Por preços que variam de 100 a 1000 yuans (R$ 25 a R$ 250), o visitante pode degustar patas de hipopótamo ou cauda de canguru. Talvez experimentar sopa de formigas ou, se for mais arrojado, provar pênis de cervo. A lista de ingredientes inclui ainda animais como escorpião, crocodilo e pavão.

Esse menu “diferenciado” causou a ira de ativistas pelo mundo e espanto na própria China. “Isso é imoral. Vai contra o propósito do Zoológico”, fustiga o especialista em legislação ambiental Chang Jiwen, da Academia Chinesa de Ciências Sociais. A direção do Zoológico se defende dizendo que o consumo de carnes exóticas faz parte da tradição chinesa, e que os bichos que se transformaram em comida não são os que estão em exibição – mas outros, proveniente de criações que o zoológico mantém especialmente para abastecer seu restaurante.

O zoo também tenta contornar a evidente atrocidade contra os animais fazendo outra ressalva: nenhum dos animais servidos pertence a espécies ameaçadas de extinção. Mas o Bin Feng Tang parece um pouco envergonhado pelas críticas. Até recentemente, seu cardápio indicava qual parte de cada animal era mais saborosa ou saudável (de acordo com a medicina tradicional chinesa). Agora essas informações sumiram.

Nota da Redação: Retirar os animais da natureza não basta. Confinar não basta. Torturar diariamente, fazendo com que os animais levem uma sobrevida totalmente alheia à sua natureza não basta. A crueldade agora é matar os animais condenados ao confinamento para o consumo humano – um gozo perverso, violento, cruel e covarde. Zoológicos não devem existir, lugar de animal é livre na natureza e, de preferência, bem longe do alcance da maldade humana.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo