Excesso de luxo oferecido aos cães não reflete necessariamente amor e respeito

A maior população canina do mundo reparte-se entre Estados Unidos, Japão e Brasil (32 milhões). Resta conhecer os dados per capita. Ainda assim, é um fato que, a cada dia, os cachorros conquistam mais espaço nas casas. Esta é uma boa notícia para o “melhor amigo do homem”?

Desde 1995, a expansão desse mercado é de 17% ao ano. Segundo dados da Associação de Produtos e Prestadores de Serviço ao Animal (Assofauna), 63% das famílias brasileiras das classes A e B adotaram animais de estimação como seus membros. Quando se trata da classe C, esse número sobe para 64%.

Existem mais de 45 milhões de cachorros domiciliados no Brasil. Ou seja, R$ 160 milhões mensais (R$ 1,92 bilhões ao ano) são arrecadados, em média, pelas pet shops, que não param de se multiplicar nos grandes centros. A moda é acompanhada pela proliferação de clínicas de pequenos animais e pela especialização de veterinários.

Mesmo quem não tem tanto poder aquisitivo pode recorrer a uma clínica pública. Para o presidente da Sociedade de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro, Jorge Pinto Lima, a sua existência está, inclusive, intimamente ligada à relação com a necessidade de maiores cuidados inspirados pelos pets, assistidos como se fossem crianças. Será que essa tendência reflete um amor maior pelos bichos?

Excesso de luxo, escassez de amor

Recorrer a veterinários psicólogos que deitam cachorros no divã (R$ 80 a R$ 100/hora), a psiquiatras (R$ 300/hora), aos pet psychic (revelação do pensamento do animal por R$ 30/hora), a cemitérios com setores popular e elegante ou perder-se nas pet shops por entre corredores da coleção Outono-Inverno para cachorros. Será mesmo por amor aos cachorros? Entre tutores que esbanjam fortunas nas lojas, alguns nem sequer passeiam com seus cães (muito menos recolhem o cocô deles) ou investem em tempo para brincar (e proporcionar-lhes a prática de exercício, tão importante para algumas raças).

Desconhecimento do trabalho que dá criar um animal, férias, mudança da família para uma casa menor e perturbação causada pelos latidos são as razões no topo da lista dos abandonos. Outro fator é a moda de adquirir determinada raça, ignorando que, na hora de adicionar um elemento à família, é determinante analisar se o adotado se encaixa no perfil e no estilo de vida do tutor.

Os sedentários devem manter distância de raças ativas, por exemplo. E a regra de ouro para quem ama os animais: evitar assumir um compromisso e deixar o cachorro entregue à solidão na maior parte do tempo. Num cenário ideal, deve haver alguém que fique com o cachorro durante as ausências do tutor ou ele reduzirá o tempo de ausência.

Para quem ignorar essa regra, vale encontrar sapatos roídos e o sofá destruído ou aguentar as queixas dos vizinhos devido ao cachorro latir o tempo todo. Nesse caso, a melhor solução para tutores e animais é apadrinhar um cachorro em necessidade e ir buscá-lo para passar o final de semana, visitá-lo quando possível, levá-lo ao veterinário, ainda que com tarefas repartidas.

A necessidade de um envolvimento sustentável

Há países que facilitam a vida para os tutores: permitem que os cachorros entrem em estabelecimentos e empresas, assim como em transportes públicos. Uma lei promulgada pelo governo suíço há dois anos deveria ser universal: para estimular a guarda responsável de animais e diminuir o abandono de cães nas ruas e em abrigos, quem adquire um cachorro, além de registrá-lo, precisa fazer um curso que envolve teoria (necessidades e desejos dos animais) e prática (situações que podem acontecer durante um passeio com o animal, por exemplo). Isso porque, cada vez mais, os animais suprem a carência de companhia das pessoas que vivem nos centros urbanos. O cachorro, como escreve o português Manuel Alegre, na sua obra Cão como Nós, é frequentemente um personagem definitivo no enredo da família.

“Acreditam não serem cães e se comportam como filho e irmão, mas existe a fidelidade e o incondicional amor.”

Como cúmplices e companheiros da nossa história, merecem, naturalmente, uma vida e um final decentes. Não podem simplesmente ser jogados ao lixo ou num aterro sanitário. Nem viver como se brinquedos fossem, apenas para satisfazer as nossas vaidades. E muito menos ser abandonados.

Quem sabe a tendência dos pet shops não regride para dar lugar a uma maior dedicação aos animais, adotando ou apadrinhando os que precisam de cuidados e carinho, independentemente de terem pedigree?

Nota: a autora da matéria adotou dois cachorros, um deles já com leishmaniose, que morreu em 23 de setembro, apesar de todos os cuidados prestados. Teve um resto de vida digno – sem extravagâncias – e um final honrado: foi enterrado no seu jardim.

Com informações de Jornal de Santa Catarina

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com