Pássaros raros são apreendidos e abatedouro é flagrado em feira de Parangaba (CE)

Os pássaros apreendidos na Feira da Parangaba estavam em péssimas condições, com fome, sede e confinados em espaços mínimos, inclusive sem entrada de ar. (Foto: Waleska Santiago)

Dezenove pássaros, entre sabiá, galo-de-campina, primavera, caboclo-lindo, cão-cão e periquito-do-sertão, foram apreendidos, numa operação da Sociedade Protetora Animal (SPA), com apoio da Polícia Militar (PM), na manhã de ontem, na feira da Parangaba. A ação foi mais uma investida de combate ao comércio ilegal de animais silvestres, prática considerada crime ambiental pela Lei Nº 9.605/ 1998.

Os autores do delito fugiram antes da chegada dos agentes e ninguém foi preso. Antes de escapar, esconderam os animais como puderam, dentro de sacos ou em caixas entocadas. Os animais apreendidos estavam em péssimas condições, com sede, fome e em gaiolas minúsculas ou em caixas de papelão.

Alguns, como o sabiá, estava quase morrendo devido aos maus-tratos. A espécie é uma das mais procuradas, sendo vendida, em média, por R$ 50,00. Outra espécie, primavera, também é disputada e comercializada pelo mesmo valor.

Quem é flagrado na venda ilegal de animais silvestres está sujeito a responder a processo criminal. Para cada animal apreendido, a lei estabelece multa de R$ 500,00. No caso de animal em processo de extinção, varia de R$ 2 mil a 5 mil.

O presidente da SPA, Márcio Filho de Sousa, contou que, antes da blitz, a entidade comprova o comércio ilegal fotografando e enviando relatório ao Ministério Público Estadual (MPE) pedindo providências. Segundo ele, somente nos meses junho, julho e agosto, a ação apreendeu mais de 80 pássaros que não se reproduzem em cativeiro e estão em perigo de extinção.

Os pássaros apreendidos foram levados para um centro de triagem do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), onde passarão por avaliações de veterinários e receberão alimento. Caso estejam em condições, serão devolvidos à natureza. Os que estiverem doentes ou que não tenham condições de se adaptar à vida silvestre serão levados para unidades conservacionistas.

Um abatedouro de galinhas e patos, em plena praça pública também foi identificado pela SPA no local, durante a fiscalização de ontem (Foto: Waleska Santiago)

Outro problema sério da Feira da Parangaba  é a “matança” de galinhas e patos. A céu aberto, os animais são abatidos, as penas são retiradas e o sangue jorra sob o olhar indiferente dos consumidores que ali esperam para levar a “mercadoria”. Uma cena assustadora . A “dona do negócio”, Lúcia Ferreira, não para nem para falar com a imprensa. “Tenho que sobreviver”, disse. Cada animal abatido é vendido por R$1,50.

Fonte: Diário do Nordeste

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com