A evolução de nós mesmos

           

Por mais que devamos respeitar as liberdades individuais de cada ser humano, seja em relação a sua crença, pensamento, opinião e posição, não consigo aceitar que animais sejam cruelmente assassinados para atender interesses ligados à tradição, concepção e crença religiosa. O movimento dos babalorixás e yalorixás que me desculpe, mas argumentar a permanência da utilização de animais em sacrifício de rituais em função de uma tradição trazida da África é insuficiente e pouco convincente.

Tal como a natureza, a vida na face da Terra percorre constantemente um caminho evolutivo, cuja sustentabilidade e condições vitais impõem normas mutáveis de readaptação e reavaliação. Trata-se de uma condição biológica comum a todos os seres vivos, que pode ser estendida de forma análoga a outros campos do saber e do viver humano (política, religião, economia etc.).

Para que a humanidade possa conviver de forma sustentável enquanto grupo social – e isso é evolução -, deve haver uma permanente e vigilante reavaliação de seus conceitos e de suas normas reguladoras. E isso deve acontecer não só com os humanos entre si, mas também na relação destes com os demais seres vivos. A vida e o direito a ela não é um privilégio e uma exclusividade de uma única espécie. Por isso, é fundamental que a ética e a moral sejam estendidas a todos os seres deste planeta. Do contrário, continuaremos sendo egoístas, mesquinhos e prepotentes, tais como nossos antepassados da Idade Média, entorpecidos pela visão antropocêntrica (o homem no centro) do universo.

A História mostra a mutabilidade das coisas e de nós mesmos. Basta olhar para trás para percebermos a diferença entre o que éramos ontem e o que somos hoje. Somos seres que se metamorfoseiam com tudo aquilo que produzimos, ou seja, com tudo que é próprio da cultura. E, nessa produção cultural, criamos, reinventamos e sepultamos ideologias, filosofias, crenças, costumes e modos de vida. Nada passa sem a transposição dos limites, da superação dos obstáculos e da quebra de paradigmas. Imaginem como o mundo seria estático e sem novidades caso nos prendêssemos em defesa da tradição como justificativa para a manutenção e permanência daquilo que vivemos e experimentamos. Pela tradição, ainda teríamos o espetáculo com seres humanos sendo devorados por feras; veríamos pessoas sendo queimadas vivas em fogueiras públicas; negros açoitados em pelourinhos; mulheres sem direito a voz, a voto e ao trabalho; andaríamos em carroças e sequer existiria o computador.

A evolução de nós mesmos passa pelas atitudes de respeito e defesa da vida de todas as criaturas. O limite de nossa liberdade termina no direito à liberdade dos outros seres, também dotados de sentimento e sensíveis à dor, à maldade e à crueldade. Não são eles que devem pagar pelas nossas crenças.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo