Ações humanas provocaram a extinção da borboleta grande-branca

           


Foto: Reprodução/ DN


Era grande, branca e só existia na ilha da Madeira: daí ser vulgarmente conhecida como grande-branca-da-madeira. Os últimos exemplares vivos da borboleta Pieris Brassicae Wollastoni foram observados em maio de 1977 na Encumeada e no Paul da Serra. Não existiam indícios de que estivesse ameaçada, nem previsões de que fosse desaparecer. E, por isso, nada foi feito no sentido da sua conservação.

Até 1950, a grande-branca foi referenciada sempre a altitudes superiores a 650 metros, chegando até aos 1200 metros. “A partir desta data, começa a voar também a altitudes inferiores, em zonas agrícolas onde as suas lagartas são encontradas a alimentar-se de couve”, informa António Branquinho. Apareciam às dúzias em cima das folhas da couve e, por isso, eram facilmente observadas. Em adultas, o seu tamanho e coloração branca também não lhes permitiam passar facilmente despercebidas.

O seu desaparecimento é quase um mistério, existindo por isso várias explicações para a sua extinção. A maioria das hipóteses incide nas ameaças ao habitat da borboleta, resultantes da ação humana, nomeadamente as queimadas florestais, a ação do pastoreio desordenado e as atividades agrícolas. “Sou da opinião de que nenhuma dessas hipóteses explica o desaparecimento desta borboleta, até porque algumas destas atividades já estavam em diminuição na altura dos acontecimentos e outras como o pastoreio não aconteciam no seu habitat”, explica o especialista em borboletas da Madeira.

Para António Aguiar Branquinho, uma das hipóteses mais prováveis é a de Gardiner (2003) “que propõe que o desaparecimento da Pieris Brassicae Wollastoni ocorreu pouco depois da introdução na Madeira em 1974 da espécie Pieris Rapae (pequena-branca), que foi aparentemente arrastada pelo ‘leste’ a partir do Sul da Europa, e que esta última poderia ser portadora de uma estirpe do vírus da granulose que afeta as borboletas do gênero Pieris”.

De acordo com a explicação de Gardiner, a grande-branca não teria defesas para combater a estirpe, por nunca ter sido exposta ao vírus. “Este vírus poderia assim ter originado uma infecção generalizada ao ponto de dizimar as populações da borboleta”, explica o especialista. E acrescenta: “Outra hipótese credível seria a introdução natural de uma vespa parasita do gênero Apanteles como A. Glomerata, que na Europa é responsável por 95% das mortes de lagartas das borboletas do género Pieris.

Com informações do DN

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo