Recolhimento de égua ferida em período de lactação gera dívidas para instituição

           

Márcio de Almeida Bueno

marcio@musicatri.com.br

http://chicotenuncamais.blogspot.com/

Amig@s,


Foto: s/c


Esta égua foi recolhida em Eldorado do Sul no dia 04/03/2010. O animal tem uma fratura antiga na pata e está amamentando. Era usada para reprodução já que perdeu a capacidade de trabalhar puxando carroça.

Estávamos aguardando uma oportunidade de recolhê-la há meses. Tivemos um primeiro pedido de ajuda  feita por moradores locais, que tentaram o  recolhimento do animal  pela Prefeitura, BM e Batalhão Ambiental sem sucesso.


Foto: s/c


Inicialmente, oferecemos ajuda ao carroceiro, sugerindo atender a égua no Projeto Resgatar, em que receberia atendimento veterinário, medicação e alimentação, gratuitamente, até sua recuperação completa.

Atualmente estamos fazendo atendimento de  cinco cavalos na Ilha dos Marinheiros, Ilha das Flores e Ilha do Pavão. Costumamos trabalhar o vínculo afetivo carroceiro/cavalo, orientamos sobre o tratamento e cuidados com o animal, mas este indivíduo nunca nos retornou. No entanto, o  animal sumiu das ruas. Obtivemos informações dos moradores de que houve um recolhimento coletivo de todos os cavalos soltos nas ruas e que a égua e o filhote estariam entre eles.

Este recolhimento é feito por um a entidade particular que leiloa os animais quando não são reclamados pelo tutor. Entramos em contato com a Prefeitura, atráves da Secretaria do Meio Ambiente, e solicitamos a guarda da mãe e do filho. Informamos que há uma legislação específica para animais vítimas, portanto, não  poderiam ser recolhidos com os demais. A bióloga do Município, Srª Danusa, interditou prontamente a entrada da égua e do filhote no caminhão  e nos repassou os animais.

Foram dois recolhimentos no Municipio de Eldorado do Sul, graças a dedicação dos moradores, que se queixam da falta de atendimento pelo poder público municipal no que se refere ao tratamento dos equinos. Também reclamam que os animais recolhidos são levados para fora do município e niguém fica sabendo do destino.

Na égua será colocada uma bota para que não haja escaras de contato, o que aumentaia o sofrimento do animal e a instabilidade de locomoção. Depois de recuperada nutricionalmente, ela e o potro serão destinados a um fiel depositário. No momento estamos com um aumento de plantel significativo e solicitamos a participação do Amigo Dez. Estamos com uma dívida no valor de R$ 950,00 por causa dos transportes e da ração.

Égua pata – R$ 300,00 Eldorado/Gravatai e Gravatai /hospital UFRGS

Égua com cria – R$ 200,00 Eldorado/Gravatai

Ração (mês) Projeto Resgatar e plantel atual – R$ 460,00

Só temos verba para a aveia, os remédios, o veterinário e para um transporte para Parobé. Se alguém puder nos ajudar comprando agendas, participando do Amigo Dez ou fazendo qualquer outra doação, ficaremos eternamente  gratos. Vamos unir forças para continuar ajudando esses pobres cavalos.

Obrigada tod@s vocês.


Foto: s/c


Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo