Tubarões estão sendo dizimados nas Ilhas Galápagos

(da Redação)

A  960 quilômetros na costa do Equador, o Arquipélago de Galápagos é conhecido no mundo por sua inigualável flora e fauna.  Em 1959, 97% da área de terra das ilhas – cerca de 800 mil hectares – foi declarada Parque Nacional pelo Governo do Equador. Vinte anos depois, foi declarado pela Unesco (Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas) Herança Mundial Natural em reconhecimento de seu valor universal.

Mas muitas espécies estão seriamente ameaçadas no arquipélago. Uma delas é a dos tubarões. Desde o ínício do ano, o Parque Nacional Galápagos (PNG) confiscou mais de 5 mil barbatanas.

Barbatanas de tubarão são expostas em vitrine de restaurante na Tailândia. Foto: Reprodução blog Laboratório

A pesca de tubarões é ilegal em Galápagos, mas isso não impede que eles sejam capturados durante a noite. Suas barbatanas são vendidas por altos preços no mercado asiático, onde são preparadas como sopa.

Organizações de proteção afirmam que a diminuição da população de tubarões pode desestabilizar o delicado equilíbrio no arquipélago, localizado a 1.000 quilômetros do continente sul-americano.

Estima-se que 100 milhões de tubarões são capturados todos os anos no mundo, na maioria dos casos, apenas por suas barbatanas.

Galápagos têm poucos navios patrulheiros para impedir que pescadores e do próprio Equador entrem na reserva marinha e matem os tubarões.

História de extinções

Por 100 anos, começando no final do séc.18, os baleeiros usaram as ilhas como base e campo de caça, complementando a carnificina cetácea por servirem-se das peles das focas locais para ganhar mais dinheiro e das tartarugas para comerem.

Por volta de 1900, as focas de Galápagos estavam quase extintas e os cascos das gigantes tartarugas assassinadas espalhados pelas praias. A primeira lei de proteção da fauna de Galápagos foi aprovada em 1934, mas as iguanas da ilha de Baltra não sobreviveram à construção de uma base aérea norte-americana durante a Segunda Guerra Mundial. No início dos anos 70, frotas pesqueiras japonesas foram servir-se de tartarugas marinhas, depredando o ambiente rotineiramente com redes de arrastão.

 





Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com