Entidades tentam barrar uso de cavalos e jegues na Lavagem do Bonfim

           
Foto: Marina Silva
Foto: Marina Silva

A presença de cavalos e jegues na Lavagem do Bonfim pode ser impedida, caso a Justiça acate uma ação civil pública que será impetrada nesta segunda-feira (11). O processo é movido pela 2ª Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, seccional baiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BA), em conjunto com a Associação Brasileira Terra Verde Viva e Associação Célula Mãe, ambas ligadas à defesa dos animais.

Segundo a ação, o objetivo é impedir abusos e maus-tratos contra animais usados para puxar as carroças que fazem parte do cortejo da lavagem, que acontece quinta-feira. As entidades alegam que a prática contraria a Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais) e o Decreto 24.645/34. Caso a Justiça defira liminar proibindo animais na festa, a prefeitura terá que impedir o uso de equinos no evento, sob pena de pagar uma multa de R$100 mil.

Fonte: Correio

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo